Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ContosCultura

Formas de olhar-se ao espelho

No orvalho de um amanhecer, pele-de-galinha com as cores que tingem a cacimba.

No reflexo dos rios que invertem o mundo que calcorreamos e guardamos nos pés, onde respiramos doses inexplicáveis de deslumbramentos e onde deixamos peles antigas e passado.

Nas poças de chuva que nos fazem olhar para cima e compreender a valsa das andorinhas em voo picado e a fuga dos balões que sonham ser dragão.

No retrovisor de um carro, no vidro de um comboio, na janela de um autocarro, sabendo que estamos a caminho, que estamos no caminho.

Ao olhar para as fotografias emolduradas de quem está e de quem esteve, abraçando memórias e fantasias, sentindo-se parte dos restos de estrelas no céu.

No mar, quando o lusco-fusco cai devagar, cheio de melancolia, e aperta o nó do estômago.

Nos olhos de quem nos ajuda a alargar esse nó e nos conhece o âmago, até quando se esconde nas lágrimas que nos lavam os lábios, a língua, a carne.

Nas janelas escuras de um quarto qualquer, a observar a noite em Lisboa, Hanoi, Buenos Aires, Bata, lembrando que a Lua é a mesma, que o espanto e a dor e o medo são iguais em todas as peles.

No chão molhado da madrugada, no meio das luzes coloridas, quando dançamos por fora ou por dentro, a explodir de emoção e de nervoso miudinho.

Em braille, sem medo de tocar nas fissuras da dor, com a certeza de ser tempestade e sol e nada e tudo.

Nos copos que brindam à liberdade de sermos Universo.

Nos nossos olhos. À frente, ter o infinito, fazer o infinito, ser o infinito. Atrás, deixar tudo o que se pensou que seria impossível, tudo o que foi impossível, até que deixou de ser.

Tags

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: