Saturday, Aug 19, 2017

Fluxo de Vida

Viver em fluxo é o estado natural do ser-humano e envolve ingredientes como a confiança e a fé.

Se eu vivo plenamente toda a expressão dessa entidade, onde cabe o “Eu Sou”, nada me faltará, este é o ingrediente de Fé. O ingrediente da confiança surge, quando confio que, ao expressar a minha verdade e viver a minha real identidade, tudo conspirará a meu favor, para que, cada dia mais, eu me faça cumprir. Estes dois ingredientes misturam-se assim numa solução quase homogénea, onde se torna um desafio  identificar a natureza individual de cada um tal é a simbiose que criam entre eles.

Quando começo a viver esta sintonia com esse EU, a realidade começa a ajustar-se a meu favor ,ajudando-me a expressar cada vez mais esse “Eu Sou”. Quase como num jogo de realidade virtual, em que, quando a personagem precisa de cumprir alguma tarefa ou passar de nível, aparece um bónus, uma vida extra, uma nova oportunidade de marcar ou acumular mais score. Isto é viver em fluxo.

Este estado de “flow” gera, cada vez mais, energia e mais amor (por mim e por tudo o que me rodeia), e gera também um sentimento de viver em graça, isto é, uma sensação plena de preenchimento e confiança de que tudo está bem. É um estado em que quase se sente que se está completo e nada falta. É uma confiança quase cega numa quase realidade invisível, pronta a ser expressa, a cada passo meu.

Há coisas que não pertencem a uma vivência em fluxo, são elas o controlo e o medo.

Esta parelha que parece que anda de mãos dadas e, muitas vezes, senão quase sempre, actua em conjunto, é a grande responsável pela vivência, na face oposta, que é, o viver em contra-fluxo.

Numa vida em contra-fluxo, vivo em inverdade com o “Eu Sou” e (sobre)vivo usando uma, ou mais, máscara que oculta a expressão do verdadeiro Rosto de quem Sou.

Viver em contra-fluxo alimenta cada vez mais a parelha medo/controlo, que vai ganhando cada vez mais força e presença nesta face da vida, alimentando a crença que, viver não é mais possível sem a sua existência.

Este estado é anti-natura do ser-humano e, como tal, quando se vive assim, a energia vital individual, vai-se gastando, gastando, gastando… Atingindo um ponto em que os medos podem ser percepcionados quase como reais, tornando-se paralisantes. Neste ponto há uma sensação que algo externo nos controla, quase como fantoches num qualquer teatro de marionetas. Este é o momento mais perigoso da vivência neste estado, onde se acredita quase sem questionamento, que só este existe e que é natural viver assim, nada se podendo fazer para viver noutro modo.

Quando se vive, nem que seja 1 minuto no estado de fluxo, sentimos o verdadeiro sabor da vida e começamos a questionar o verdadeiro sentido do que fazemos e de quem realmente somos.

O primeiro passo para viver em fluxo é, tão simplesmente, viver quem somos, em cada sopro da vida, em cada decisão tomada, a cada Não, a cada porta que se fecha, a cada passo que se dá, a cada queda, a cada olhar, sem medo, sem dúvidas, sem certeza se vai dar certo, mas com a certeza que estamos a Ser. Que estamos a ser, essa força da natureza que já nos habita e se faz ouvir a cada bombada do coração, que bate, bate, bate, para nos lembrar que, cá dentro, já corre um fluxo de vida. Um fluxo de vida, que pulsa e circula, tão forte e transformador, como o fluxo de um rio, que molda paisagens, abre caminhos, gera vida, molda outras e, no fim, desagua num todo que o acolhe independentemente do seu percurso, dos caminhos, das escolhas e das decisões que tomou para desaguar nessa água, que tudo une, e que se dá pelo nome de: Vida.

Que  neste 2017 te faças cumprir.

A geração dos Mill
Amor ou Submissão?

teresa.vilhena@superpower.pt

Sou uma "peregrina exploradora" na área do desenvolvimento pesssoal. Ser o mais autêntica possível, nos diferentes planos da minha vida, é o meu maior propósito, pois acredito ser essa a chave para a minha liberdade individual. Deste meu caminho de reconhecimento de valor e de identidade criei o projecto SuperPower, que tem por missão, inspirar e apoiar outros a encontrem e aceitarem os seus superpoderes. Dos meus superpoderes constam uma gargalhada explosiva, um sorriso sincero e um olhar sem filtros para o outro. Desenvolvo a minha actividade profissional enquanto orientadora pessoal e coach e o trabalho que desenvolvo, seja individualmente ou em workshops, tem sempre por objectivo alcançar a "melhor versão" de cada um tendo como fundo o lema " Voa mais alto, mais longe, com SUPERPOWER".

Rate This Article:
2 COMMENTS
  • Cristina / 15/06/2017

    Teresa, muito obrigada pela partilha de palavras tão sábias. O melhor post, sem dúvida, até hoje! Inspirador!

LEAVE A COMMENT