Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
SociedadeSociedade

Famílias Felizes

Meados de 50… José, o pai, despede-se da família ainda o sol espreita envergonhado lá fora. Vai trabalhar, ganhar o sustento da família. Maria, a mãe, prepara o pequeno-almoço para os miúdos e lá segue o rapaz, a pé, para a escola primária. Já a menina fica em casa com ela: hoje vão fazer pão, arrumar impecavelmente a modesta casinha e, se houver tempo, bordar um bocadinho!

São uma família feliz!

Outubro de 2018, num bloco de apartamentos, na periferia da cidade, Marta acorda a filha Ema com um beijinho: está na hora de a levar à escola onde a deixa, antes de apanhar o Metro para o trabalho. Àquela hora já a mãe Joana está no emprego, como sai mais cedo, hoje vai ela buscar a Ema à escola ao final do dia e talvez voltem de Metro para casa.

São uma família feliz!

Se há 60 anos a família “normal”, comum e aceite era apenas uma: a de José e Maria, hoje são tantas as famílias “Normais”.

Numa sociedade em plena evolução e num estado de direito democrático, onde a mudança é algo inevitável e natural, as pessoas mudam, os conceitos são alterados e a dita família normal agora é a família “trad”, a família “mono”, a família “homo”, a família “arco-íris”… mas a aceitação? Essa ainda é para alguns uma miragem, um oásis no deserto.

Ser mãe, ser pai é para tantos o sonho de uma vida, um sonho muitas vezes negado, adiado, impossível… e ser filho? Do outro lado da barricada há tantas crianças que só querem um pai, seja ele como for… ter uma família, ser uma família…

As Martas e as Joanas deste mundo lutam com unhas e dentes para lhes ser reconhecido o direito de SERem uma família, até há bem pouco tempo a Joana até podia ser a “mãe Joana”, mas a Marta, essa mãe Marta que para a criança era um tudo, aos olhos da sociedade era um grande Nada.

A 24 de Fevereiro de 2016 foi , finalmente e após quatro chumbos, publicada a lei 2/2016, a lei que permitiu que a Joana e a Marta fossem finalmente a Mãe Joana e a Mãe Marta e sim, a Ema tem agora duas mães e , na escola que frequenta, a Carolina tem um pai, uma mãe, um padrasto, uma madrasta (que nomes feios) e, vejam bem, 8 avós! O Miguel, da sala ao lado, tem um pai Zé e um pai Ricardo, há meninos que passam o fim de semana no pai, a semana na mãe, há outros que têm os dois em casa todos os dias… e por aí fora. São tantas, tantas famílias felizes!

Para quem vê, às vezes não é fácil compreender, afinal, só os vêm ali na escola e que estranho que é tudo isto. Contudo, já dizia a minha avó: primeiro estranha-se, depois entranha-se e lá na escolinha já todos entranharam.

A vida é mesmo isto: uns assim, outros assado, mas todos humanos.

Quanto às famílias? Venha da lá o amor, a saúde, o carinho, a cumplicidade, a comida na mesa e onde houver tudo isto (e mais alguma coisa) há uma Família Feliz!

Tags

Andreia Mendes

Natural de Caldas da Rainha, 35 anos. Licenciada em Educação Social. Mulher, Mãe de dois. Com paixão pelas pessoas, pelas palavras, pelas acções, pelo teatro, pela música e claro pela escrita! Incapaz de compreender algumas injustiças por esse mundo fora, por esse tempo adentro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: