Saturday, Aug 19, 2017
HomeCulturaContosEle decidiu voar

Ele decidiu voar

Ele decidiu voar. Fechou os olhos e deixou-se ser o próprio vento. Abriu os braços até se fazerem asas. Soltou os pés do chão como quem balouçava em nuvens e em ondas. A gravidade esqueceu-o. Ele decidiu voar e voou, pássaro negro que sabe pertencer ao mundo. Talvez alguém tenha notado aquela ave a desaparecer no horizonte, talvez, talvez alguém tenha deitado o olho para o céu naquele momento exacto em que a sombra do pássaro se viu pela última vez e tenha pensado na beleza da natureza ao entardecer, talvez. Talvez. Ele decidiu voar e nunca mais ninguém o viu.

Isto foi há muito tempo, começou quando as fotografias ainda eram a preto e branco e saltávamos de penhascos para mergulhar no desconhecido. Saíamos encharcados de vida e de sol, corríamos para o mais alto de nós e voltávamos a atirar-nos. O sol com um brilho branco que tornava tudo tão irreal. Foi há muito tempo, quando só existiam possibilidades dentro do nosso peito, quando a realidade era o que nós queríamos que fosse. Eram outras épocas, de milagres e de mistérios, de imaginar que vastidão havia longe dos nossos rios e das nossas árvores. Como eram enormes as gargalhadas, meu Deus, tão grandes que pareciam um eco da natureza, também a natureza era feliz.

Ele sorria muito. Não houve um de nós que tivesse percebido que ele ansiava por voar. Nem sequer ela. Ela, a quem ele sorria mais do que a ninguém. Descobrimos com eles que a paixão era aquilo: o riso mais alto, o olhar selvagem, as cartas de amor que enchiam caixas, gavetas, mochilas. Escondidos entre as árvores, ele só de calças e ela só com a camisa dele, os pés na água, a dançar. Ele desfazia-se nos braços dela enquanto dançavam. Aprendemos com eles que o amor era aquilo: ser tão completamente desfeito nos braços inteiros de alguém.

Ele sorria muito. Não era nada como nas fotografias. Foi só isso que sobrou: fotografias de cara e pose sérias, tão diferentes da memória de tudo aquilo que ele era. Se calhar, as fotografias é que tinham razão. Se calhar, não sorria tanto quando estava sozinho. Se calhar, tinha movimentos pequeninos e a cara cheia de sombras e dúvidas, quando pensava que ninguém o observava, quando era ele, oculto, que ouvia os outros a viver. Todos somos principalmente aquilo que ninguém vê.

Entretanto, as fotografias tornaram-se a cores, já não saltávamos de penhascos, a realidade era também o que tínhamos querido ignorar. Filosofávamos enquanto fumávamos cigarros, perguntávamos os medos alheios para acalmar os nossos. Conhecemos paixões, amores e enganos. Até ele e ela conheceram a desilusão. Nem ele e ela conseguiram parar corações que cresciam para lados opostos. Mesmo assim, sorríamos muito. Mesmo assim, ele sorria muito. Por vezes, quando ela estava por perto, com mágoa nos olhos. Por vezes, mesmo quando ela estava longe, com a melancolia de quem perdeu. Sem nunca mostrar o quanto, o quanto ardia nele a inevitabilidade da ida.

E um dia, ele arriscou voar. Correr mundo. Encontrar outras alegrias, outras tristezas, outras. Apenas outras – coisas e pessoas e cidades, não importava, desde que não fossem aquelas. Precisava de amansar a inquietação que levava dentro, o desalento que não o deixava voltar a inspirar. Por isso, foi. Só ficaram as fotografias a preto e branco tão sérias e solenes, quase irreconhecíveis, estampadas em cartazes e jornais, incapazes de apaziguar as incompreensões. Na memória, a música, as conversas, e as gargalhadas que não se vêem nas fotos. Na terra, ainda lá estão os penhascos e os rios que riam e dançavam connosco. Algures, terão ficado os baús de cartas de amor. Ele tinha decidido voar, e foi sozinho, talvez ninguém tenha percebido, naquele momento, naquela hora, como tudo mudaria. Sozinho. Fechou os olhos e deixou-se ser o próprio vento. Abriu as asas e nunca mais ninguém o viu.

Filha da Lei
Tecnologia, cada vez

immortatus@gmail.com

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Rate This Article:
NO COMMENTS

LEAVE A COMMENT