EducaçãoSociedade

Educar nos tempos modernos

“Mudam-se os tempos… mudam-se as vontades”. Vivemos numa sociedade em que esta frase faz cada vez mais sentido. Os tempos são rápidos e triviais, tanto que damos por nós a afirmar que “antigamente é que era”. Um antes que, inevitavelmente, nos remete para uma infância feliz.

Nos anos 80, crescer era bastante diferente e não quer isto dizer que fosse necessariamente mau. Sem acesso às tecnologias, até porque ainda estavam para ser inventadas, as crianças sabiam brincar. Mais do que brincar, sabiam conviver entre si e partilhar brinquedos.

Estavam na rua o dia inteiro. As meninas preferiam a macaca e o elástico, os rapazes dedicavam-se ao futebol e às bicicletas. Em qualquer das actividades, corriam o risco de se aleijar. Tinham joelhos esfolados, faziam entorses e partiam cabeças. Não tinham juízo, o corpo é que pagava e assim aprendiam as mais valiosas lições.

Ficavam de castigo, sem antes levar uma, ou outra palmada. Dizia-se que “nunca fez mal a ninguém”. Respeitavam os mais velhos, quer pelo medo que tinham de voltar a apanhar, quer pelo reconhecimento do esforço que faziam para lhes dar uma vida melhor. Sabiam que as coisas não caiam do céu, de mão beijada, e que era necessário esforço e dedicação para as conquistar.

A realidade de hoje difere, na maioria dos casos. Culpa-se a mudança dos tempos e a falta de tempo dos pais. O imenso mundo electrónico faz com que a recompensa pela ausência recaia na oferta de um gadget qualquer. Ficam sossegados, não chateiam, nem fazem birra e assim evitam cobranças de presença.

SP_educarnostemposmodernos_1

Ali ficam, horas a fio, a olhar para um ecrã. Usam óculos em idade precoce e sofrem de obesidade, por falta de exercício físico. “Não” é palavra proibida. Por mais que a criança berre, chore, esperneie, há sempre uma solução que não passa pela palmada. É que bater é considerado maus tratos e as crianças de hoje, cada vez mais inteligentes e desenvolvidas, sabem disso. Que mesmo que se portem mal, vão sempre ter aquilo que pedem. E nunca vão dar valor ao que recebem.

O que se perdeu na educação foi o próprio tempo. Os pais, após um dia de trabalho, entregam-se ao cansaço. A paciência escasseia e não tolera chamadas de atenção. Acabam por acarinhar com objectos, com “sins” a tudo, para subtrair a carência dos filhos. Há a necessidade urgente da rigidez dos tempos passados. Dizer “não” quando é preciso e incentivá-los quando estão no caminho certo. Saber a diferença para a poder ensinar e, para isso, é preciso dedicar-lhes tempo.

Dizer “não” vai fazer com que o detestem, mas é um mal necessário para um bem maior. Num mundo onde tudo tem um acesso facilitado, um “não” pode promover a criatividade e a procura de soluções. As crianças precisam de ser motivadas a descobrir a realidade, além da virtual. Para crescer é preciso sair da fantasia. Aprender por experiência própria, consigo presente e disponível. Lembre-se que, quanto mais equilibrada for a relação com o seu filho, maior será a probabilidade de estar a formar um adulto saudável.

Tags
Show More

Sara Pereira

O que me define não é a formação académica ou estudos complementares. Sou isto: nem mais nem menos que alguém, mas ninguém é igual a mim. Sou única, com os meus defeitos e virtudes. Sou complexa e simples ao mesmo tempo. Por vezes complexa nas alturas em que deveria ser simples, nunca ocorre no tempo certo ou na medida exacta. Sou descomedida na medida do equilibrado. Sinto muito mas esqueço depressa. Apaixono-me constantemente pela paixão e sofro desilusões assolapadas. Cada dia, mais que em qualquer outro tempo, tento equacionar que não é nem será a ultima vez que as sofro e assim aprendo a senti-las menos. Sou sonhadora e vivo a sonhar com um mundo que seja um lugar melhor para nós. Gosto de viver alienada desta dita realidade que me rodeia, para não sabotar quem sou. Sou uma alma em constante desconstrução para que me possa continuar a construir. Tenho eternas perguntas que nunca serão respondidas. Gosto de escrever. O que me falta na comunicação verbal, compenso na escrita. Gosto da fluidez das palavras, do peso que podem adquirir, da maneira como podem tocar, do significado escondido que podem ter. Para além do que dizes ser óbvio há sempre mais, se escolheres ler-me. E quando verdadeiramente me lês, sou isto: nem mais nem menos, mas feliz por ser assim.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: