SociedadeSociedade

E se (des)aproveitássemos o tempo?

O desafio é abrandar, relaxar, desfrutar. Aproveitar o momento. Praticar, como diriam os italianos, o dolce far niente.

Nestes tempos frenéticos, desperdiçar tempo é um drama diário. As listas infinitas de coisas a fazer e as correrias de um lado para o outro marcam este tempo em que tudo parece urgente. E guardar alguns minutos para fazer o que nos apetece acaba, muitas vezes, por resultar em sentimentos de culpa.

Muitas vezes, saímos para passear ou para tomar um café e começamos a pensar no que deveríamos estar a fazer. Sentimo-nos culpados por não nos estarmos a dedicar a nada de “útil” ou “urgente”. Sentimos que estamos a desaproveitar o tempo ou (sendo mais radical) a desperdiçá-lo.

Recusamo-nos a fazer verdadeiras pausas. Sair com os amigos ou dar longos passeios ficam em último plano, quando começamos a pensar no que devemos de fazer. Ainda assim – e este é o grande paradoxo -, quantas horas gastamos, por exemplo, a fazer scroll no feed do Facebook ou do Instagram?

Pois bem, actualmente, parece que o desafio é abrandar, relaxar, desfrutar. Aproveitar o momento. Praticar, como diriam os italianos, o dolce far niente (a doçura de não fazer nada). E praticá-lo sem culpas.

Afinal, desaproveitar o tempo pode ser na realidade aproveitá-lo, diminuindo os níveis de stress e aumentando a sensação de bem-estar. Além disso, há quem refira, inclusive, que os momentos de pausa no trabalho aumentam a produtividade e a criatividade.

Se quisermos levar esta ideia ao extremo e aproveitar uma longa pausa no trabalho, pode ser interessante conhecer a estória de Stefan Sagmeister, um designer que fecha o seu estúdio durante um ano de sete em sete anos. “Como podem imaginar é um tempo adorável e muito energético”, diz.

Então, e se aproveitássemos o tempo? Se reservássemos algum tempo para não fazer nada? Falo, neste caso, de não fazer nada de “útil” ou “urgente” e não no sentido literal. Contudo, também podemos decidir não fazer literalmente nada. Marcelo Bohrer é o criador do nadismo. Este movimento entende o não fazer (literalmente) nada como forma de aproveitar o tempo. A sua página de Facebook já tem mais de 4500 seguidores e são convocados eventos para que os participantes se juntem, por exemplo, em jardins para não fazer nada.

Tags
Show More

Marisa Mourão

Estudante de Ciências da Comunicação na Universidade do Minho. É apaixonada por uma boa história. Ainda é das que acredita que os media podem ajudar na construção de uma cidadania ativa.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: