CrónicasEuropaMundoPolíticaPortugal

E agora Portugal?

1 – Estabilidade. Temos ouvido e lido esta palavra vezes sem conta desde que terminou o último acto eleitoral. E tal palavra tem vindo à baila vezes sem conta, porque o sufrágio eleitoral ditou um resultado “estranho”, dado que a Direita venceu as eleições, mas para formar governo precisa do apoio de uma das três forças que tem acento parlamentar.

Obviamente que a lógica que explanei em cima não tem de ser a lógica dominante. Isto, porque é verdade que já tivemos um Governo da nossa 3.ª República que cumpriu o seu mandado do princípio ao fim suportado por uma maioria relativa na Assembleia da República. Só que para tal teve de recorrer a acordos pontuais e um deles até foi bastante polémico e acabou por ficar conhecido como o “Deputado do Queijo”. Para quem não sabe, ou não está recordado, este Governo de maioria relativa foi o do último mandato de António Guterres como Primeiro-Ministro de Portugal. Ora, um cenário destes no actual contexto internacional em que o nosso País está inserido seria um desastre total para Portugal, porque convêm não esquecer a nossa total dependência do financiamento externo.

Existe, portanto, uma clara necessidade de estabilidade no plano político nacional. Resta somente saber como será alcançada a dita cuja.

Se porventura se optar pela criação de um “Centrão” que envolva Coligação Portugal à Frente (PSD/CDS) e Partido Socialista, o Governo não conseguirá levar o seu mandato até ao fim pelas razões que já evidenciei em cima, já se a opção recair na criação de um Governo de Esquerda onde participem o Partido Socialista, Bloco de Esquerda e Coligação Democrática Unitária (CDU) criar-se-ão condições para que Portugal tenha um Governo forte, estável e com voz na Europa e no Mundo.

Vamos a ver que solução nos reserva o “caldeirão” político Português e se Cavaco Silva e demais Imprensa de Direita não se lembram de fazer das suas.

2 – Antes que surjam por aqui palavras de ordem contra o meu pensamento do ponto anterior há que dizer que, caso o Partido vencedor das eleições não consiga formar governo, a nossa Constituição da República (o tal documento legal de que Passos e Portas não gostam e que Cavaco desconhece) determina que seja convidado a formar governo a segunda força política mais votada. E não, não se trata de um gesto profundamente burocrático, mas sim de uma forma de se evitar a repetição do acto eleitoral vezes sem conta até que se encontre um Governo, algo que se viveu vezes sem conta na nossa 1.ª República e que acabou por ser o seu fim.

E não mais uma vez, não é possível haver entendimento total entre Partidos no actual cenário político nacional.

Contudo, mais facilmente os Partidos da Esquerda que têm assento Parlamentar se entendem entre si, dado que existem muitos pontos de convergência entre eles. O mesmo já não se pode dizer da Coligação Portugal à Frente, porque a sua actuação dos últimos quatro anos de governação impossibilita, à partida, qualquer tipo de entendimento entre esta e qualquer Partido da Esquerda.

3 – No meio de tudo isto há uma personagem política com responsabilidades que actuou mal e que contribui para uma mais que provável capitulação de um Governo PàF. Falo, obviamente, do Sr. Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. Haverá por aí quem diga que serei mais um a praticar o desporto de criticar o Presidente, mas a verdade é que Cavaco Silva foi precipitado num processo sem precedentes desde o 25 de Abril.

Antes de fazer fosse o que fosse, Cavaco deveria ter aguardado serenamente pela contagem oficial dos votos, analisar os resultados da dita contagem, falar com todos os líderes das forças partidárias que conquistaram o seu lugar na Assembleia da República e só depois disto decidir que rumo tomar no que ao novo Governo diz respeito.

Não é preciso ser-se um génio da política para se ver que este deveria ter sido o procedimento de um Presidente da República, mas Cavaco, como sempre, pensa primeiro na sua família política, faz disparates e depois tenta emendar a mão na tentativa de salvar Passos e Portas.

Cavaco já vai é tarde e, a não ser que haja uma enorme reviravolta política, vai ser engraçado ver o facioso Presidente da República a ter de “engolir um tremendo sapo”.

4 – Acho uma certa graça à forma como o nosso Governo e comunicação Social olham e interpretam a recente polémica da Volkswagen. O primeiro está numa de “não me chateiem” e ainda está para vir a iniciativa do Executivo Português no que à questão de carros poluentes da marca que se encontram a circular em Portugal, e a segunda tem tido o expresso cuidado de passar uma imagem de espanto pelo sucedido como se na Alemanha todos fossem uns Santos incorruptíveis.

Tanto uma atitude como outra não me espantam dado que nestes últimos quatro anos fomos uma espécie de colónia Germânica que obedece ao Dictat da Sra. Merkel, mas todo este problema da marca Alemã preocupa-me seriamente porque tal irá abalar fortemente a economia Germânica e Europeia e porque muita gente vai acabar pro ser despedida. A Nossa comunicação Social tem tentado braquear esta situação mas, mais cedo ou mais tarde, vamos todos sentir na pele os efeitos nefastos desta “chico-espertice” dos Alemães.

5 – A questão Síria também tem estado também na agenda mediática dado que a Rússia resolveu participar de forma directa no conflito. E fê-lo da maneira mais racional dado que apoia um Regime com o qual a maioria dos Sírios se identifica e que é o único com capacidade para movimentar tropas no terreno para expulsar de vez com os Terroristas e pseudo Rebeldes da Síria

Naturalmente que esta intervenção mais musculada de Moscovo não agradou a Washington pois os Russos irão apoiar as Tropas de Assad somente dentro dos limites territoriais da Síria. Ou seja; o Estado Islâmico e os ditos “Rebeldes” irão ser “empurrados” para o Iraque onde tem ainda uma forte implementação, passando desta forma a ser um problema dos Iraquianos e dos seus Aliados Norte-americanos. Evidentemente que esta é uma situação que poderia ser evitada se todos estivessem realmente interessados em destruir o Estado Islâmico & Companhia, mas já está visto de que lado está uma boa parte do Ocidente e como tal este é um problema que nunca terá fim pois vai ser atirado de um lado para o outro ao bom estilo de bola de futebol.

6 – Para uma outra oportunidade fica o meu comentário às candidaturas de Sampaio da Nóvoa e de Marcelo Rebelo de Sousa a Belém, mas deixo desde já aqui uma pequena apreciação sobre o Professor Marcelo: é um joia de pessoa, um Jurista de renome mas é também um dos actuais Conselheiros de Estado de Cavaco Silva e não me surpreendia mesmo nada se muitos dos disparates de Cavaco tenham surgido por sugestão do Marcelo.

Tags
Show More

Pedro Silva

“É preciso provocar sistematicamente confusão. Isso promove a criatividade. Tudo aquilo que é contraditório gera vida.” (Salvador Dalí)

Crítico, opinativo e com mente aberta. É isto que caracteriza um Cronista.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: