Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
LifestyleViagens

“Dubliners”

“O que se passou em Dublin, fica em Dublin”, diríamos mais tarde ao recordar a viagem onde finalmente “conheci” os trainees do meu ano de entrada na empresa.

Dublin: as pontes sobre o Liffey

Ao fim de quatro anos, combinámos ir ter com o David – expatriado – a Dublin. Eu mal os conhecia e nos quatro ou cinco meses que se intrometeram entre o momento em que decidimos ir e a viagem, encontramo-nos três ou quatro vezes. Foi no 1º de Dezembro de 2011, ampliado pelo fim-de-semana, que acampámos os sete no T1 do David. O soalho de madeira do chão da sala que me serviu de colchão no primeiro sono (ou na falta dele) levou-me, nas noites seguintes, a dormir com o Alexandre no sofá-cama, bem fofinho por sinal (o sofá; não o Alexandre…), passando simpaticamente o David para o tapete de madeira. As meninas… essas dormiram que nem umas princesas: até tinham colchão!

Rua pedonal de Dublin

A Margarida agradeceu a hospitalidade do nosso anfitrião qualificando-o de “calão”: o rapaz havia cometido o crime de comer uma banana e como todos sabemos, uma banana não dá trabalho nenhum a descascar. É mesmo “à homem”, completou ela. David, para a próxima já sabes: descascar à mão, só ananás… à “homem”!

Dublin pareceu-me uma cidade mais apropriada para viver do que para visitar: estilo de vida britânico; a simpatia das pessoas a passear pelas ruas, mesmo com tempo cinzento; um respeito pela tradição que me traz sempre um sentimento ambivalente e a loucura dos pubs: recordo Temple Bar ou o Cafe en Seine como o palco de saída nocturna que me apraz (a noite em Dublin começa às 22:00 e termina pela 1:00 ou 2:00!… neste aspecto, vivo no país errado.)

Kilmainham Gaol, onde eram presos os separatistas.

Pela importância histórica e (sobretudo, embora não o devesse confessar) por ter sido o cenário de Em Nome do Pai, a prisão de Kilmainham Gaol era aquela visita que eu não queria perder. E como valeu a pena! O Guinness Storehouse (onde fomos) e a destilaria da Jameson (onde não fomos) eram para mim lugares dispensáveis ou não detestasse eu cerveja e whisky. A Calçada de Gigantes, na Irlanda do Norte, lugar fantástico onde o David mandou um tralho para a História, foi uma odisseia e tanto, a começar pelo aluguer do carro, com a desfaçatez com que fomos roubados logo ao balcão, qual instituição bancária: extra para o seguro, extra para segundo condutor, extra por passar a fronteira! Num carro de sete lugares; ficou quase pelo dobro do valor que eu tinha reservado na net! Por sugestão da Maria João, fomos à destilaria de Bushmills que, estando fechada devido à “quase neve” que atrapalhava mais do que caía, não nos foi permitido visitar, tendo-nos sido oferecido um copo de whisky XX anos vintage-old-gold-blended super premium: uma merda.

Trinity College

A partir daí passeamo-nos por Dublin “à mitra”:

Catedral? Paga-se? Então espreitamos da entrada e está visto!;

– Numa cafetaria à hora do fecho: a empregada dá-nos a escolher os últimos bolos à borla… e às escondidas! Durante a nossa indecisão perante a fartura, chega o chefe… toca de lançar a mão a tantos bolos quantos conseguíssemos apanhar!

Diz a Rita a dada altura: ainda vamos regressar mais ricos do que quando chegámos.

O que retive de Dublin além destas peripécias?

A noite – Temple Bar

Uma cidade onde se sente Joyce, Wilde e Shaw, onde a O’Connell Bridge sobre o Liffey possui a particularidade de ser mais larga do que comprida, onde o Trinity College nos manda aquele bafio a Clube dos Poetas Mortos com cabeças de rainhas decapitadas pelo meio e onde as ruas, as pessoas e tudo o que ali se respira convidam mais a “experimentar viver” do que a fingir dar testemunho de uma espectacularidade que Dublin (para mim) não tem. Contudo, não será esta familiaridade qualquer coisa de fantástico numa cidade em pleno século XXI?

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: