Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ContosCultura

Desequilíbrio

Hoje a tua pele cheirava a sol e a promessas. Precisei de um copo de vinho para tirar o sabor do teu nome da minha língua.

Na cama espera-me outro corpo, outro toque, outro ritmo. Não quero pensar se sentirás que me habituei demasiado rápido à tua distância, mas penso. E tenho raiva de me preocupar com isso. De me deixar levar pela memória da tua respiração no meu ouvido, lembranças charlatãs que me vendem um passado sedutor que não foi bem assim. Esta mania incontrolável de ruminar: arrancar as crostas e abrir as cicatrizes e escarafunchar as feridas à procura de soluções hipotéticas.

Devia ter bebido dois copos de vinho. Ou uma garrafa inteira.

Fecho os olhos, desejando não ter entornado contigo toda a felicidade que me foi destinada. Se for finita, se afinal existir uma genética metafísica e tivermos um certo número de momentos felizes previsto no ADN, pergunto-me quanto me restará, como é doseada, se alguém pode doar. Dador de órgãos, dador de felicidade. O corpo poderá rejeitar a alegria transplantada? Haverá próteses? A que soará uma gargalhada com remendos?

Preciso de me deitar, enfrentar a almofada cheia dos pesadelos que as saudades me forçam pelo sono dentro, vencer a tua ausência. Engasgo-me com as palavras, mesmo que nem as diga, mesmo que só as pense. Engasgo-me com as lembranças de ti. Fazes-me tropeçar, desequilibras-me a vida.

E é esse o problema, não é?

Não consigo deitar-me aqui. Continuo a dar voltas ao teu sabor e ao teu cheiro e às promessas que insinuas sem a mínima intenção de cumprir. Conheço bem o impossível. E não consigo ficar aqui. Finjo-me inocente mas continuo preso entre o paradoxo do que quero e de quem sou. Estás dolorosamente presente na minha carne até quando tenho outros braços à minha volta. Pego no casaco porque sei que me esperas. Fecho a porta de casa.

Tags

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: