Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ContosCultura

Desejo

Era cedo. Muito cedo, mas a ânsia de estar com ela não o deixava dormir. Uma sensação nova e tão forte que até o sono lhe retirava. Sentia-se bem. Ligou o rádio. Seis horas? O sol já se vislumbrava bem e a luz interior era ainda maior.

Tomou banho e sentia cada músculo do seu corpo como se fosse a primeira vez. Enquanto deslizava o sabonete sentia o corpo dela, junto ao seu, como se fosse mesmo seu. Até o seu cheiro, a doce de flores, se entranhava em si. Que era aquilo que estava a acontecer consigo?

Fada ou bruxa, não sabia dizer, mas alguma coisa lhe havia feito. Uma espécie de feitiço bom que o levava a caminhos ainda desconhecidos. Imaginava a sua presença e o corpo reagiu á sua lembrança. Era urgente o reencontro. Queria-a beijar, percorrer o seu corpo, deliciar-se com a sua pele, saborear o seu tão especial paladar. Ardia de desejo.

O toque da campainha acordou-o desses pensamentos. Quem seria àquela hora? De toalha enrolada à cintura, sem nada mais que o cobrisse, abriu a porta. Era ela que sofria da mesma insónia. Abraçaram-se e a peça que cobria a sua nudez soltou-se. O amor é sempre urgente. A todas as horas e sempre. Amaram-se sem pudores nem pressas, numa valsa que só eles sabiam e haviam ensaiado.

Os beijos, esses ciganos do engano, devoravam os lábios e as línguas dos amantes. Línguas que desciam e percorriam corpos ávidos de sensações e de delícias. Corpos que tremiam de emoção e de prazer. Corpos que se davam sem serem rogados. Corpos que se completavam e cruzavam a mesma linha.

A música, qual aguarela impressionista, soava a complemento, a cenário de filme romântico onde os amantes finalmente se encontravam depois de desencontros e aventuras. Pertenciam-se e eram um só, dois corações a bater ao mesmo ritmo, um arfar que se movimentava na mesma cadência e que terminava no mesmo clímax.

Tags
Show More

Margarida Vale

A vida são vários dias que se querem diferentes e aliciantes. Cair e levantar são formas de estar. Há que renovar e ser sapiente. Viajar é saboroso, escrever é delicioso. Quem encontra a paz caminha ao lado da felicidade e essa está sempre a mudar de local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: