Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CrónicasSociedadeSociedade

Dar e Receber

Chegamos ao final do ano e à última crónica de 2014. O momento é sempre (ou deveria ser) de reflexão sobre os meses que passámos, compreender para onde nos dirigimos, o que crescemos e quais os próximos passos. Esta crónica tem sido, ao longo das suas 45 semanas, contando com esta crónica, um espaço de reflexão do nosso país, da sociedade e do mundo, através dos temas que fizeram manchete, durante aqueles dias. No entanto, num mundo em mudança, também este espaço está a mudar. Por isso, decidi torná-la, como o título da última, mais humana, mas isso ficará para o próximo ano.

Comecei por referir que este é um momento de reflexão, ou assim deveria ser. Nas últimas semanas, por diversas circunstâncias, tenho ido a centros comerciais, essencialmente para jantar, e o que tenho visto é uma loucura de enchentes de pessoas naquele velho hábito das compras, que sempre me fez confusão. Queixamo-nos da falta de dinheiro, da falta de trabalho, da falta de tudo e mais alguma coisa, mas continuamos a viver pelo velho preconceito social do “ter de levar qualquer coisa para parecer bem”.

O Natal deveria ser uma época de amor e partilha, não uma época de aparências e de avaliação das prendas alheias. Enchemos mesas com tanta comida que ninguém come e que, tantas vezes, vai para o lixo, mas não enchemos o nosso coração de amor pelo outro, de perdão e de fé. Entregamos um presente comprado à pressa, mas esquecemo-nos de, no resto do ano, darmos um abraço, uma palavra de apreço, um sorriso. Vemos os miúdos loucos de alegria com brinquedos que vão durar uns dias, às vezes tantos brinquedos que as salas e os quartos nem têm mais espaço para eles, mas, durante os 12 meses seguintes, pouca paciência e tempo temos para eles, porque o trabalho pede demais de nós.

Que sociedade estamos nós a criar, há tantas e tantas décadas, que dá mais importância a um objecto do que a um sentimento? Talvez seja, acima de tudo, o momento de largarmos os velhos hábitos e renová-los para algo mais sincero, para algo mais genuíno. A época pode ser de ofertas, claro, é sempre tão bom ver a alegria de quem recebe, mas que seja algo de coração, pois, quando assim é, o retorno que temos é muito superior a qualquer presente que possamos receber.

No final de mais um ano, que possamos também ter o discernimento de compreender por que calçadas andámos a caminhar, que trilhos percorremos, e entregarmo-nos a mais um ano, a mais um desafio (brevemente irá sair um artigo sobre o próximo ano, estejam atentos) para crescermos e podermos ser realmente felizes.

Tags
Show More

Leonardo Mansinhos

Nasci em Lisboa em 1980 sob o signo de Virgem e com Ascendente Capricórnio. Quando era pequeno descobri uma paixão por música, livros e por escrever. Licenciei-me em Organização e Gestão de Empresas pelo ISCTE e trabalhei durante quase uma década nas áreas de comércio, gestão e, principalmente, Marketing, mas desde muito cedo interessei-me pelo desenvolvimento espiritual. Comecei como autodidacta há mais de uma década em diversos temas esotéricos, nomeadamente em Astrologia, e, mais tarde, descobri no Tarot uma verdadeira paixão. Hoje dedico-me a esta paixão através das consultas de Tarot e Astrologia, assim como de formação, palestras e artigos nas mesmas áreas. Em 2009 co-fundei a Sopro d'Alma, um espaço de terapias holísticas e complementares, dedicado ao ser humano e onde dou as minhas consultas, cursos e palestras. Procuro, acima de tudo, ser um Ser todos os dias melhor, pondo-me ao serviço da sociedade através de tudo o que sou.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: