Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
MundoPolítica

Como governar um mundo em crise?

Do mundo pós II Guerra Mundial, uma nova forma de estar, um novo estilo de vida emergiu dos escombros da destruição: uma sociedade assente num governo representativo, com uma vocação social clara, numa concepção económica de mercado livre, num mundo dominado pelo Estado de Direito e onde a sociedade civil ganhou destaque. Este foi o mundo que despontou da Guerra e norteou a conduta das nações europeias e a norte-americana nos últimos anos. Porém, o advento das novas tecnologias e o stress do próprio sistema capitalista estão a colocar em causa estas instituições, levando alguns autores a afirmarem que a governação feita nos moldes de hoje deve ser radicalmente transformada.

Para o historiador britânico, Niall Ferguson, professor em Harvard e investigador em Oxford, as bases que outrora eram sinónimo de progresso, prosperidade e vitalidade económica e que fizeram do Ocidente, a partir de 1500, a força dominante são as mesmas que, hoje, conduzem o Ocidente para o declínio. Os quatro pilares que fizeram todo o sentido anteriormente, agora estão a condicionar as economias ocidentais que enfrentam problemas como défices públicos e a desaceleração do crescimento económico, aliados a uma população cada vez mais envelhecida e com comportamentos sociais desviantes contra a ordem pré-estabelecida.

No seu livro The Great Degeneration: How Institutions Decay and Economies Die (2012), Ferguson faz um retrato do mundo actual: a revolução da Primavera Árabe, que está a conduzir os povos árabes para a tão esperada democracia; a transição da economia chinesa para uma estratégia mais capitalista e a decadência das instituições europeias e norte-americanas, que minam a hegemonia ocidental. É neste novo mundo, que segundo o autor, as estruturas de antes já não fazem sentido, sendo necessário uma mudança radical.

Num artigo publicado em Abril de 2011, intitulado “If I ruled the world”, Niall Ferguson afirma que “ruling”, governar, é um anacronismo que fazia sentido no seculo XVII, mas que na sociedade vigente já não se aplica. Para Ferguson, o acto de governar “baseia-se numa cadeia de comando, em que o governante se senta no seu palácio a dar ordens aos funcionários que devem estar dispostos e capazes de transformar as ordens em acções. Isso funciona melhor, quando há duas coisas: a tecnologia para transmitir ordens escritas de cima para baixo e as instituições para manter uma função pública com nível maior de alfabetização do que a população.”

Contudo, agora vivemos na era da informação e da tecnologia, onde a sociedade civil assume um papel mais activo, privilegiando formas de participação não convencionais e distanciando-se do aparelho do Estado e aproximando-se das redes sociais. O mundo está conectado naquilo a que Ferguson chama de “interligações e sobreposições de redes”, que desafiam as instituições tradicionais de poder. Por isso, o historiador afirma que, se ele governasse o mundo, substituía as formas tradicionais de poder “por redes”. Os autocratas seriam todos depostos do poder e as estruturas ocupadas por eles seriam simplificadas e menos burocráticas. Quanto à economia, comissões de executivos tomariam as rédeas das grandes empresas, tomando o lugar dos CEOs, delegando o poder por vários departamentos.

Alguns podem alegar que o “mundo de Ferguson” seria uma anarquia, mas, para o historiador, governar de cima para baixo, numa sociedade que se recusa a obedecer cegamente sem antes perceber o porquê, perdeu todo o sentido. Hoje, a figura de autoridade perdeu a legitimidade para ser substituída pelo papel do líder que para o autor faz algo bem diferente do que governar.

Tags
Show More

Estela Tavares

Sem dúvida, que a comunicação é uma paixão inegável e que me define como pessoa, por isso, a licenciatura em jornalismo, na Escola Superior de Comunicação Social foi um passo natural. Poder escrever sobre o mundo, que nas suas múltiplas manifestações nos fornece a matéria-prima, que nos rodeia é um privilégio. Quanto a mim, os vícios por porta-chaves, sapatos e o Nadal (um grande tenista) são algumas das características, que segundo os meus amigos me conferem uma loucura q.b

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: