Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CinemaCultura

Com o trio maravilha

Com The Philadelphia Story, a screwball comedy confirmou a sua importância diante de uma audiência pouco perspicaz no entendimento de alguns sarcasmos. Para além disso, foi a salvação da carreira de Katharine Hepburn. O filme valeu-lhe a terceira nomeação ao Óscar e mesmo que não tivesse ganho bastou para se autenticar como uma das melhores atrizes de cinema de sempre.

Baseado numa peça estreada na Broadway, também com Hepburn como protagonista, o filme é considerado um clássico irreverente da história do cinema. Comédia frenética, de diálogos apressados e engenhosos, este é um daqueles momentos de arte que todos, independentemente de ser ou não adepto do preto e branco, deveria observar. As suas piadas continuam, 75 anos depois da estreia, a ter eficácia sobre o seu público, mesmo de idades tão divergentes. De facto, é isso que falta às comédias de hoje em dia. Nelas, verificamos o desaparecimento de relações humanas tão complexas, sobretudo, pelo novo apego às redes sociais. Por outro lado, os confrontos neste filme são colocados frente a frente.

VJ_casamentoescandaloso_1

O enredo, para os menos atentos, é até um quanto confuso. Tracy Lord, a personagem de Katharine Hepburn, é uma a mulher emancipada, a menina impetuosa e mimada, espelho daquilo que a própria atriz exibia diante da socialité cinematográfica – e que está prestes a se casar. Ao seu lado estão C. K. Dexter Haven (Cary Grant), o ex-marido, desesperado em colocar à prova a mulher que ainda ama – com a ajuda do seu amigo pessoal e editor da Spy Magazine, Sidney Kidd (Henry Daniell) -, e Macaulay Connor (James Stewart), um dos jornalistas que irá cobrir, ao lado da fotógrafa Elizabeth Imbrie (Ruth Hussey), o novo casamento de Tracy – desta vez com o milionário George Kittredge (John Howard). Para complicar as coisas, surge a irmã de Tracy, Dinah, que mesmo inoportuna, comprovou o talento da jovem atriz Virginia Weidler – a mesma já tinha participado em The Women (1939), também realizado por George Cukor.

VJ_casamentoescandaloso_destaque

Na realidade, este filme com poucos espetadores tinha tudo para dar errado, uma vez que Katharine Hepburn era considerada ‘veneno da bilheteira’. Muitos dos seus projetos, hoje considerados clássicos, como o caso de Bringing Up Baby, eram flops imediatos. Na época, o terreno era ainda de Marlene Dietrich, Greta Garbo e Joan Crawford – mitos e deusas do cinema.
Para Hepburn, a fama temia em chegar, mas esta sofisticada comédia encaminhou-a para o passeio da fama em Hollywood. Não é por menos que ainda detém o título de atriz com mais Óscares (4), na categoria de Melhor Desempenho Feminino. Ela brilha e sobressai-se diante da maioria de elenco masculino. Sabe, pelo refinado argumento, comunicar cada uma das suas falas. A sua interpretação tem classe e não apenas por desempenhar uma mulher com vida estável.

A realização de George Cukor, cineasta e cronista dos ideais femininos dentro e fora do ecrã – The Women (1939), volta aqui a ser referenciado -, era um homossexual assumido e a sua revolução nos enredos cinematográficos era evidente. De lembrar também A Star is Born (1954), com a imagem da ascensão de uma mulher (Judy Garland) e a decadência de um homem (James Mason).

VJ_casamentoescandaloso_2

Casamento Escandaloso foi um espanto, mesmo para os mais conservadores. Os temas sexuais eram ainda cortados pela censura da época, mas o seu argumento manteve-se intocável, considerando esta película (pelos seus estudiosos), um protótipo do ménage-à-trois.

Cary Grant e James Stewart são excessivamente trapalhões. Grant comprova novamente o seu talento e versatilidade e, mesmo que a sua atuação seja mais importante que a de Stewart, este último é que foi nomeado e vencedor do Óscar de Melhor Ator (vejamos, à frente de Henry Fonda, em As Vinhas da Ira). Stewart é uma peça chave em toda a trama. O seu Macaulay Connor consegue mostrar a fusão de classes no pós-Grande Depressão de 1929 e, por ser uma figura humilde ao lado da elite americana, consegue gerar uma maior empatia por parte do público.

Mesmo que tudo seja primordial para o filme, aquilo que mais se destaca é o argumento. Produzido por Joseph Mankiewicz, a história de Donald Odgden Stewart é elementar para compreender uma Hollywood, que ansiava colocar no ecrã cenas ousadas para a época. E mesmo que no cinema de hoje tudo possa ser mostrado, ‘não ver’ o romance de Tracy e Macaulay dá maior liberdade mental ao seu espetador. Mais um filme resistente ao tempo e à sociedade do novo milénio.

VJ_casamentoescandaloso_4

Ficha técnica

Ano de Produção: 1940/ Título português: Casamento Escandaloso/ Título original: The Philadelphia Story/ Realizador: George Cukor / Argumento: Donald Ogden Stewart / Elenco: Cary Grant, Katharine Hepburn, James Stewart, Ruth Hussey, John Howard, Roland Young, Mary Nash, John Halliday/ Música: Franz Waxman/ Duração: 112 minutos

Virgílio Jesus

Licenciado em Ciências da Comunicação e com Mestrado em Cinema e Televisão pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, sou um apaixonado por cinema desde os meus 10 anos. Todos me conhecem como o 'viciado em filmes' porque na realidade estou sempre interessado em ter a sétima arte como tema de conversa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: