CiênciasCiências e Tecnologia

Cócegas: autodefesa e gargalhadas

Quem nunca chorou a rir por causa das cócegas? Essas gargalhadas acompanhadas por tensão no corpo. Eu, particularmente, não gosto, mas qual é a função biológica das cócegas? Qualquer comportamento humano ou animal tem a sua razão de ser, não é verdade?

Muitos estudos já foram feitos para compreender este fenómeno cheio de risos, mas o motivo que nos leva a rir, quando alguém toca na nossa axila (por exemplo), parece não ter ainda uma resposta certa.

Aristóteles e Charles Darwin foram algumas das grandes personalidades que quiseram entender o enigma das cócegas. Darwin chegou a teorizar a relação entre as cócegas e as relações. Se por exemplo, fizermos cócegas a um estranho, esta situação não terá um resultado muito positivo e a pessoa que recebeu as cócegas, provavelmente, não irá rir e achará o acto desagradável. Assim, o naturalista inglês acabou por concluir que as cócegas são feitas entre amigos e parentes e geram vínculos, prazer e confiança.

A nossa pele tem terminações nervosas livres que nos permitem sentir dor, cócegas ou frio, ou seja, estímulos que perturbam e que levam o organismo a se afastar deles. Por isso, pode-se dizer que as cócegas são uma forma de autodefesa, que nos faz reagir, quando uma aranha ou um mosquito, toca na nossa pele (ambos considerados perigos externos pelo nosso corpo). As terminações enviam sinais ao cérebro, que emite, por sua vez, um sinal de alarme que faz com que o corpo, dependendo do tipo de cócegas, responda rapidamente.

Assim, quando a pele é acariciada de forma mais súbtil, as terminações transmitem o estímulo até ao centro de prazer do cérebro, localizado no hipotálamo. Porém, quando a estimulação é profunda e rápida, essa reação tem o resultado contrário e os sinais tornam-se uma verdadeira tortura na forma de risos nervosos, gritos e movimentos bruscos. Por um lado, podemos percebe-las como algo pouco agradável e, por outro, liberar grandes quantidades de endorfina que nos faz sentir prazer.

A verdade é que há dois tipos de cócegas, knismesis, que é a sensação induzida por um leve toque na pele e que não costuma provocar risos (pode ser o caso do pequeno insecto que anda sobre a nossa pele), e a gargalesis, que é a sensação desencadeada por uma moderada e repetida pressão sobre certas partes do corpo, provocando gargalhadas (similar ao nome destas cócegas) e movimentos involuntários, como pequenos espasmos.

Enquanto que é possível provocar knismesis em si mesmo, a gargalesis só pode ser ocasionada por outra pessoa e isso se deve a que o cerebelo (o responsável por dar ordens de movimento) já recebeu uma cópia da informação do movimento, antes de que o mesmo fosse executado, deixando o cérebro de sobreaviso e bloqueando todas as possíveis sensações de cócegas.

mg_cocegasautodefesaegargalhadas_2Não têm a sensação de que, quantas mais cócegas temos, mais vezes as pessoas próximas a nós tentam-nos fazer cócegas? É terrível. E depois temos aquelas pessoas que não sentem nenhumas cócegas (invejo-as imenso, em segredo). Elas não têm a sensibilidade tão desenvolvida e conseguem controlar perfeitamente os impulsos nervosos, assim, o que para alguns é motivo de uma gargalhada incontrolável, para outros é uma situação totalmente de baixo controlo.

 

Tags
Show More

Maria J Gutierrez

Bióloga de profissão, amante da natureza e de todas as suas formas de vida, desde os seres mais gigantes até aos mais pequeninos. Não há nada como estar com a família, descobrir o mundo, aprender, ler um bom livro e cervejinhas com os amigos.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: