Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CinemaCultura

Carol

Quando estreia um romance rotulado pelo tema homossexualidade, muitos são aqueles que um quanto desacreditados no poder da narração, caem numa leitura mais genérica, sem olhar para a profundidade e singularidade do modo como a respectiva história é contada. Claro que o cinema sempre usou personagens e ‘pesadas’ temáticas, mas mais do que a história em si, qualquer filme é sempre analisado pela sua estrutura narrativa. Esta pequena chamada de atenção, sobretudo para os cépticos, estabelece uma linha de apresentação a Carol, realizado por Todd Haynes, facilmente um dos melhores filmes de 2015, que só agora chega às salas portuguesas – a primeira projecção foi no Festival de Cannes do ano passado, onde recebeu uma eufórica ovação de 10 minutos.

Baseado no romance de Patricia Highsmith, Carol ou O Preço do Sal, publicado em 1952, sob o pseudónimo Claire Morgan, uma vez que o conteúdo era considerado proibido pela sociedade da época, Carol aborda a relação que nasce entre duas mulheres, uma pobre e uma rica, uma jovem e outra mais velha, uma com sonhos e emancipada, outra que quer deixar de estar dependente do seu marido, daí o seu conturbado processo de divórcio. São elas, Therese Belivet (Rooney Mara) e Carol Aird (Cate Blanchett), nomes que jamais soarão com tanto glamour, se não forem as principais actrizes a pronunciá-los.

Carol

À partida, ao público virão à memória outros exemplos com a mesma base,  O Segredo de Brokeback Mountain e A Vida de Ádele, mas como se sabe, têm um registo próprio, dificultando uma imediata comparação. Em Carol, há toda uma subtileza, um glamour e classicismo que não encontramos noutros romances, ou melhor, que não encontramos noutros filmes e facto um quanto pertinente é que não apressa a cena do sexo, revelando inteligentemente outros episódios que se tornarão imprescindíveis para a sétima arte.

Logo nos momentos iniciais um aglomerado de gente anónima, em ritmo frenético, sai da estação de comboios. Cada indivíduo segue a sua vida, mas a câmara começa por destacar alguém de entre a multidão. Esse alguém é um homem e porque o filme quer retratar o ambiente machista que se sentia, é percebível a escolha – através de um homem são introduzidas as mulheres protagonistas. Homens que são ainda figuras estereotipadas, tão características da época, nomeadamente Harge Aird (Kyle Chandler) e o ‘bruto’ Richard Semco (Jake Lacy). Em seguida, um flashback, que aproveita o movimento do comboio circular do comboio, afinal todo o início tem um fim e todo o fim tem um início. Situação idêntica com a presença constante do automóvel, que realça o seu intenso fabrico nos anos pós-segunda guerra mundial e que parece expor uma sociedade envidraçada, assente numa ‘ordem’ e preceitos que deverão ser respeitados, e por servir de paralelismo à viagem até ao íntimo da dupla, que se descobre mutuamente aquando da road-trip pela América. Quase em fuga, para viverem livremente o seu amor, aquelas almas solitárias encontram-se, diante dos nossos olhos sempre críticos aos instantes da relação.

Carol

Opostas, mas complementares, são mesmo Cate Blanchett e Rooney Mara que se destacam. A interpretação primorosa de Blanchett faz-nos voar no tempo e ganha maior importância do que aquela dada no livro. É provavelmente a sua segunda melhor interpretação (ainda não esquecemos a sua Blue Jasmine) e a sua situação é a mais complicada, sobretudo pela existência de uma filha que oprime indiretamente a possibilidade de amar. Com a Therese de Mara descobrimos uma certa instabilidade emocional, alguém à “procura de respostas” e que satisfaz o seu desejo na fotografia – na obra de Highsmith, Therese é aprendiza de cenógrafa -, arte que tem também esse lado de (re)descoberta.

VJ_carol_4

Certamente poucos notarão a importância do momento em que vemos uma sequência de O Crepúsculo dos Deuses, com Norma Desmond (Gloria Swanson), a tocar nos ombros de Joe Gills (William Holden), este que é arrastado pelo poder feminino. Para muitos, pode ser mais um filme a preto e branco, mas entra em Carol para potencializar o poder do toque, do gesto melodramático, pontualmente repetido, que vai além do desejo e reafirma as relações humanas. Outro detalhe é de como o tempo se torna instante, como a sequência do túnel, na mesma maneira como quando estamos apaixonados, em sincronia com a vasta e riquíssima banda-sonora de Carter Burwell.

Todd Haynes é mestre. Depois de Longe do Paraíso, e ainda melhor, depois da mini-série Mildred Pierce, ambos ambientados nos anos 50, Haynes eleva o melodrama de Hollywood ao seu expoente máximo, recordando obras de Douglas Sirk e até de outros que de uma certa excessividade, reflectida nos sarcasmos de Carol. O mesmo que se o diga da fotografia de Edward Lachman, metódica e tradicional, nomeada ao Óscar, perfazendo uma das seis nomeações que o filme tem – falhou a nomeação a melhor filme e melhor realizador, mas isso é outra conversa.

Carol

Uma forma final para descrever a grandiosidade de Carol seria com uma expressão do livro, quando Carol pergunta a Therese o que é um clássico e esta responde “um clássico é algo como uma situação humana básica”. Se tivermos em conta as análises do filósofo Aldous Huxley sobre o que é uma situação humana, descobriríamos que se trata de pensar a relação do Homem com as ordens estabelecidas, ao encontro de um ‘eu’ enclausurado do mundo, da mesma forma como Carol, Therese e todas as outras mulheres que na época sentiam esse sentimento, amor (atente à canção “No Other Love”, de Jo Stafford). Em breve pensaremos em Carol, como um filme sobre o legado de Hollywood, mais do que um mero romance lésbico.

[slavia_review]

Tags
Show More

Virgílio Jesus

Licenciado em Ciências da Comunicação e com Mestrado em Cinema e Televisão pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, sou um apaixonado por cinema desde os meus 10 anos. Todos me conhecem como o 'viciado em filmes' porque na realidade estou sempre interessado em ter a sétima arte como tema de conversa.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: