Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Bem-EstarLifestyle

Caminhos

Tomar decisões é quase uma arte pois, como qualquer ofício, requer um misto de talento e prática. Quantas mais decisões tomamos mais nos tornamos mestres desta arte que, nem todos dominam ou querem dominar, pois, por vezes, é mais cómodo deixar a decisão na “mão de outro” (seja este outro um parceiro, amigo, familiar e/ou colega ou um qualquer sistema ou estrutura social).

Tomar decisões é, a meu ver, o maior poder que temos na nossa vida: o poder de decidirmos o nosso rumo. E a decisão leva-nos ao caminho das possibilidades, pois onde há decisões a tomar há certamente vários caminhos que podemos escolher trilhar, cabendo-nos decidir em qual deles andar.

Nem todos gozam deste “poder” portanto é quase um “dever cívico” usá-lo.

– Haverá decisões certas neste mar de possibilidades?

A decisão, seja qual for, é sempre certa, pois há que ser tomada, a questão, portanto, a prende-se mais com a opção tomada e a que caminho e/ou caminhos nos conduz.

Na minha visão só existem dois caminhos que nadam paralelos: o caminho do Amor e o caminho do Medo.

O caminho do “Amor” é aquele que está em harmonia com o que sou em toda a minha dimensão, é um caminho de expansão, que me expande, que abre outros caminhos em linha directa com esse “Eu sou”.

O caminho do Medo é um caminho que conduz a lugares já conhecidos, é um caminho que conduz a espaços convergentes, que restringe o meu campo de actuação e me tira do viver a expressão do meu Ser, fazendo-me viver mais na esfera do Ego.

Portanto, em momentos de decisão a escolha cai sobre um destes caminhos.

A questão que se segue é se:

– Quero viver em expansão?

Ou

– Quero viver em restrição (do que sou ou posso ser/manifestar/expressar)?

A decisão nem sempre é fácil e/ou óbvia pois ambos os caminhos são válidos e ambos trazem aprendizagens.

Visualizo a vida como uma linha, como uma linha de caminho de ferro, onde por vezes a minha linha de vida se cruza com a da linha férrea do Medo para sair ou entrar nela tendo em paralelo a linha férrea do Amor onde posso também entrar ou sair.

Os momentos de decisão são quase como uma bifurcação onde estes dois caminhos se cruzam na linha de vida individual e onde escolho, conscientemente ou não, em qual dos dois andar.

Com a prática, a consciência e o tempo também aprende-se a distinguir estes momentos de decisão bem como, a conhecer os meandros de cada um destes caminhos.

Por vezes decidimos percorrer o Medo disfarçado numa decisão de Amor mas dificilmente o contrário se verifica, pois no caminho do Amor não há ilusão, nem disfarces. Quando entramos no seu trilho claramente sentimos que o estamos a trilhar.

Esta época do Ano, em que se celebra o espírito da compaixão e do Amor pelo outro, é uma oportunidade única para entrar conscientemente no trilho do Amor, expandirmos o nosso Ser e abrir novos caminhos para mais um novo Ano que já se avista no horizonte.

Termino com uma interrogação para sentires e reflectires:

– Sabes em qual dos dois caminhos estás a andar?

Tags
Show More

Teresa Vilhena

" No fundo de cada homem residem esses poderes adormecidos; poderes que o assombrariam, que ele jamais sonhou possuir; forças que revolucionariam sua vida se despertadas e postas em acção" - Esta afirmação de Orison Swett Marden traduz a intenção base do meu trabalho como Energy Coach (coach energético). É esta vontade de alquimicamente despertar forças inatas adormecidas e criar caminhos em conjunto para a sua expressão ideal, que me move de forma apaixonada enquanto profissional e ser humano. O meu percurso académico, com um Mestrado em Bioquímica na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e mais tarde com uma incursão em Psicologia pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, esculpiu a minha capacidade de análise, avaliação e pensamento em diferentes vertentes e contextos. O percurso profissional em ambiente empresarial trouxe-me à consciência as necessidades humanas comuns a todos e despertou em mim uma vontade de trabalhar individualmente e de forma independente o potencial humano latente em cada um. Acredito em pedir ao outro apenas aquilo que eu própria sou capazes de fazer, o que me leva a trilhar nas diferentes vertentes da minha vida um caminho individual de descoberta da expressão da minha autenticidade e da aplicabilidade da mesma em termos práticos do dia-a-dia, pois sei, por experiência vivida e sentida, que "Uma viagem começa com um primeiro passo".

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: