Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaMúsica

Bon Iver

Há pessoas, neste mundo, que ainda têm o condão de se expressar sem terem medo de o fazer, porque para elas não existe outra alternativa. A única forma de se entenderem como gente é transformarem e exorcizarem as suas experiências e tudo o que sentem.

Quando estas pessoas são criativas, então, todos nós ficamos a ganhar. Justin Vernon é uma delas.

A sua história e a forma como nasceram os “Bon Iver” pode ter acontecido de mil e uma formas. Contudo, para quem acredita e gosta da ideia do romantismo americano, certamente idealiza Justin Vernon há quase onze anos, isolado na cabana do pai em Wisconsin, trucidado pelo fim de um relacionamento e dizem algumas fontes com monocluose infecciosa, em pleno exorcismo criativo e metamorfose pessoal.

Em plena fase de isolamento existencial, Vernon agarra com unhas e dentes uma crise pessoal para a transformar num álbum sincero e saído das entranhas e cria assim os Bon Iver, ou seja, “Bonne Hiver” ou “Bom Inverno”, porque sem dúvida que assim o foi ou não teríamos ainda hoje as melodias e letras honestas, simples e que nos deleitam a cada álbum novo.

O primeiro álbum saído do gélido Inverno passado na cabana, “For Emma Forever Ago” é daqueles álbuns que, como Jimmy Fallon sugere após entrevistar Vernon, para degustar com um bom copo de vinho na mão (ou mais, porque não?).

Das mãos e mentes que caracterizam os Bon Iver, há a tendência da introspecção e dissecação pessoal, da análise das angústias da alma e das dores que são tanto de Vernon como nossas e que são libertadas através do seu som.

E apesar de terem ganho os prémios de “Melhor Novo Artista” e de “Melhor Álbum Alternativo” com o segundo álbum “Bon Iver, Bon Iver” (só por causa da honestidade deste nome já gosto deles), ainda na mesma linha pessoal do primeiro, Justin Vernon não se perdeu e continuou centrado no que acredita e a honrar o seu público com o último trabalho “22, a Million” editado em 2016, impulsionando o som com elementos de música electrónica, efeitos variados, sintetizadores, numa panóplia exploratória de quem não se cansa de se reinventar.

Em jeito de término, deixo por aqui o tema “I Can’t Make You Love Me” do álbum “Bon Iver, Bon Iver”, porque a seu tempo fez-me sentir na melodia e nas palavras as dores que também eram minhas. Permitiu-me também, enquanto o ouvia, limpar a alma. Não o posso cantar com a mesma originalidade de Vernon, nem com a sinceridade e vozeirão de Adele, que também já o cantou, mas a essência que lá está também já esteve em mim. Portanto, quanto a vós, não sei, mas quanto a mim, vou colocar os fones, acender uma vela e, antes disso, buscar o meu copo de vinho.

 

Tags
Show More

Carla Moreira

Fiz teatro e fui jogral de poesia há algumas luas. Gosto muito de pessoas. E de vários assuntos. E de assuntos que envolvam pessoas. Sou curiosa por natureza e tenho verdadeira paixão pela palavras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: