Viagens

Berlenga, um paraíso desconhecido

Depois de longos meses de trabalho, de esperas, de lutas, de vitórias e de derrotas, chegaram finalmente os aguardados dias de descanso. O campo, a cidade, a montanha, ou a praia, as opções variam conforme os gostos de cada um. No entanto, se és daquelas pessoas que aprecia praia, que deseja fazer férias cá dentro e quer tudo menos ir para o Algarve, então, o meu conselho é a ilha da Berlenga.

Situada ao largo da cidade de Peniche, a ilha da Berlenga Grande, a principal do arquipélago das Berlengas, é um local duma beleza única. É certo que não precisas de um dia inteiro para percorrer a ilha de uma ponta à outra, mas isso não significa que te vais fartar de lá estar. Pelo contrário, a experiência tem tudo para ser inesquecível. Os penhascos são de cortar a respiração, a água do mar é azul-cristalina e a Natureza é selvagem. A sensação é de estar a milhares de quilómetros de casa numa ilha paradisíaca do Oceano Pacífico.

Para ter acesso ao arquipélago terás que obrigatoriamente apanhar um dos barcos que fazem a ligação desde o porto de Peniche. As opções são várias e os horários também, dada a existência de algumas empresas a efectuarem o transporte. A partir das 8h30 já fazem a ligação, sendo que partem barcos praticamente de meia em meia hora. Caso consideres os bilhetes demasiado caros, sempre podes procurar por um pescador, ou outro profissional, que necessite de ir até à ilha, já que, por norma, fazem preços mais acessíveis e a viagem é mais rápida (a duração é de cerca de 45 minutos).

Chegado ao destino, sentirás imediatamente o impacto visual. As imponentes paredes rochosas da ilha vão fazer-te sentir minúsculo. Se já viste na televisão, ou já tiveste a oportunidade de visitar uma ilha italiana, sentirás algumas semelhanças. As poucas construções existentes dão-lhe um ar pitoresco. Poucas são as pessoas que lá vivem, durante o ano inteiro. Existe um restaurante/hotel e um mini-mercado com produtos essenciais. O melhor a fazer é levar alguma comida contigo e água. A única torneira comunitária de água doce na ilha é cortada às dez da manhã.

A receber-te terás alguém a oferecer-te o mapa da Berlenga, bem como panfletos sobre as várias actividades desportivas que poderás usufruir, durante a tua estadia: mergulho, caiaque, entre outras. No entanto, ir à Berlenga também significa caminhar e muito, por isso mesmo, não te esqueças de levar calçado confortável.

Logo a começar, terás de subir uma íngreme encosta, com início na pequena aldeia. Nem vais sentir o esforço. Há medida que sobes, ganhas uma nova perspectiva da ilha. A tendência será a de parar inúmeras vezes para saborear o momento e tirar algumas fotografias para a posteridade. Diante dos teus olhos terás um mar imenso, salpicado por pequenas embarcações, de água transparente, a desaguar numa pequena praia, a única da ilha.

O teu olhar será também atraído pelas várias tendas dispersas nos socalcos construídos ao teu lado esquerdo. Trata-se do parque de campismo da Berlenga. Um parque diferente de todos os que já viste. A sua altura e localização fazem com que seja considerado um dos mais belos da Europa. Caso queiras pernoitar na ilha, esta é uma das opções, porém, dada a sua área reduzida, terás que contactar com alguma antecedência a Câmara Municipal de Peniche para fazer a reserva. Se gostas de experimentar sensações diferentes, é uma hipótese a considerar, mas, entre as desvantagens, terás o facto de teres de descer até à aldeia para usufruíres da casa de banho. Outro pormenor – os banhos são de água salgada e fria. Não te admires se vires inúmeros garrafões de água espalhados pela ilha, o mais certo é estarem ao Sol para os campistas terem água quente para tomarem banho.

Por esta altura já te apercebeste da constante presença das gaivotas. Existem aos milhares, o seu grasnar faz parte da sonoridade do arquipélago. Aliás, as gaivotas são um problema nas Berlengas, os seus excrementos estão a cada canto. O risco de seres atingido por um excremento de um destes animais é por isso elevado. O melhor é levares um chapéu para te protegeres de uma surpresa desagradável.

Contornado o parque de campismo, aproveita para conhecer outros recantos. Caminha somente nos trilhos indicados. As Berlengas são consideradas desde 2011 Reserva Mundial da Biosfera pela UNESCO. O que não faltam são locais para parar e relaxar, enquanto observas a beleza em teu redor. Em certos pontos da ilha, terás oportunidade de visualizar duas ínsulas do arquipélago e o Farol Duque de Bragança.

A partir de um dos trilhos, terás acesso ao Forte de São João Baptista. O acesso é feito a partir de uma extensa escadaria de pedra. Se pensavas que já tinhas feito todo o esforço físico, enganaste-te. Não desanimes. Nesta altura, estarás maravilhado e isso vai incentivar-te e muito a prosseguir. Mandado construir em 1651 pelo rei D. João IV, o Forte de São João Baptista é um edifício de pedra lindíssimo. Faz lembrar os castelos dos filmes da Disney. Hoje, serve como “casa-abrigo” da Associação dos Amigos das Berlengas e é mais um dos locais onde te poderás alojar (reserva com antecedência), conta com um mini-mercado e um restaurante.

Visitado o Forte, chegou o momento de dares uma volta de barco em torno da ilha. É obrigatório. Existe uma outra beleza envolta da Berlenga que precisas de conhecer. São as grutas, as rochas, que se assemelham a baleias e elefantes, e a sua fauna. São as histórias e as lendas contadas pelas suas gentes. Uma viagem aos recantos mais escondidos da ilha. Recantos de uma beleza única.

Conhecidos os pontos principais, é altura de aproveitar as águas límpidas para uns bons mergulhos, ou para praticar um dos desportos radicais existentes na Berlenga. Vai até à praia e disfruta da beleza natural envolvente.

Longe das grandes confusões dos destinos turísticos habituais, a ilha Grande da Berlenga é o local perfeito para quem não quer gastar muito dinheiro e quer ao mesmo tempo sentir-se a milhares de quilómetros de casa. É mais um ponto paradisíaco do nosso país que merece ser conhecido. Se ainda não sabes onde vais passar as tuas férias este ano, tens aqui uma excelente opção.

Tags
Show More

Diana Rodrigues

Minhota de gema. Distraída. Aventureira. Gulosa. Crítica. Observadora. Anti rotina. Persistente. Sonhadora. Alguém que vê na evolução um objectivo. A escrita? É mais que uma fuga. É paixão. O jornalismo regional e a imprensa online são os intermediários.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: