Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Sofia Fonseca Costa

Nasceu numa quarta feira de Novembro, no ano 1984, mas não gosta de meio termos. Desde que se lembra que quer ser escritora e mãe. Dizem que no canto do seu sorriso mora um arco-íris. Vive para as palavras e afectos. Não gosta de chocolate. É formada em jornalismo e fez teatro durante mais de uma década. Mãe de quatro filhos a quem chama de Soneto. É autora do livro Murmúrio Infinito. Chamam-lhe Sofes Marie.
Podemos falar de amor?
Bem-Estar

Podemos falar de amor?

Falar de amor alegra-nos o peito. Dobra-nos o sorriso. Ilumina-nos os olhos. Suspira-nos a respiração. Acelera-nos os batimentos cardíacos. Dá-nos…
Não me desejem “Bom Natal”
Crónicas

Não me desejem “Bom Natal”

Chegados a Dezembro, torna-se encantador ver as ruas iluminadas com cores novas, com adereços estrelados ou em forma de floco…
Baby by Piki – “não tenho mais nada, significa tudo”
Moda

Baby by Piki – “não tenho mais nada, significa tudo”

"Até àquele fatídico dia, Cláudia Lima dedicava-se à maternidade do filho Zé Maria e tratava de criar produtos cada vez…
“Pés para que os quero, se tenho asas para voar?”
Crónicas

“Pés para que os quero, se tenho asas para voar?”

Muitos são aqueles que não acreditam em magia. Eu confesso que sempre fiz por manter acesa a centelha que me…
Numa sociedade de magros, o gordo é um estafermo
Crónicas

Numa sociedade de magros, o gordo é um estafermo

Quem não conhece, pelo menos, uma pessoa gorda que se atire ao ar! Quando não a conhece, é porque se…
As mães não vivem para sempre
Bem-Estar

As mães não vivem para sempre

É cruel, mas a única certeza que conseguimos ter, mal nascemos, é que a vida um dia acaba. A minha.…
“I’m a Star”
Crónicas

“I’m a Star”

Ela, de todos, foi a primeira a chegar. Veio calma e serena. Com duas tranças feitas na perfeição que ficavam…
“Sinto que fui eu quem matou a minha filha”
Ciências e Tecnologia

“Sinto que fui eu quem matou a minha filha”

Há dores sentidas quase em surdina. Baixinho para que ninguém as oiça. Perder um filho, seja em que circunstância for,…
Mal me quer
Reportagem

Mal me quer

“Ou me fazes um broche ou vais já para a rua.” Foi assim que começou aquilo que Mafalda* descreve como…
Ao sinal de toque
Educação

Ao sinal de toque

O início de Setembro traz invariavelmente para todos os anúncios de promoções de material escolar. É prenúncio do regresso às…
Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker