Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaLiteratura

Alice Munro

A Contista que ganhou o Nobel da Literatura

Alice Ann Munro nasceu a 10 de julho de 1931 e foi a 13.ª mulher a ganhar o prémio Nobel da Literatura. Além disso, é também a primeira vez que ganha um autor cujas obras têm como base o conto. Característica especifica do trabalho de Munro. Alice nasceu em Wingham, Ontário, no Canadá, começou a escrever em adolescente, a sua primeira obra foi publicada em 1950, enquanto se encontrava a estudar Jornalismo e Inglês, na University of Western Ontário.

A Academia Sueca reconhece que Munro é um “mestre do conto contemporâneo” e que “embora seja essencialmente conhecida como contista, mostra a profundidade, sabedoria e precisão que a maior parte dos ficcionistas só consegue alcançar numa vida inteira a escrever romances”.

Apesar das inúmeras rejeições por parte das editoras, a autora nunca desistiu e superou as limitações impostas à sua carreira pelas responsabilidades do casamento e da maternidade. Algo que também incorporou nos seus contos. Bem como o ambiente social e cultural do seu país de origem.

Com uma escrita simples e acessível, o leitor tem a sensação de que lhe estão a contar uma história de modo verbal e não que está de facto a ler. No entanto, as personagens mantêm a sua essência e complexidade. Munro não menospreza as capacidades dos seus leitores e consegue envolver cada um, nos seus enredos, em que qualquer sensação é imensa.

Desde a mulher que não consegue amar o seu filho recém-nascido e a mulher de meia idade cujo peito começou a descair, à família que lida com o Alzheimer, todas as personagens passam a sua mensagem de forma sublime, elevando a prosa da vida ao lirismo dos seus livros.

Alice Munro tem apenas um romance, Lives of Girls and Women, de 1971, no entanto, a forma como a autora escreve a vida da personagem Del Jordan em pequenos recortes, faz com que este livro seja uma coletânea de contos a acompanhar a vida de Del. Retratada como uma forasteira, insatisfeita com o rumo que a sua vida levou ao viver numa pequena cidade, que só quer expandir a sua mente para além do que vive até ao momento. Esta obra é considerada um retrato das principais ideias feministas.

Aos 82 anos, Alice disse que se iria reformar, algo que até hoje se verifica. No seu último livro, Dear Life, aborda a velhice e a progressão da mesma. O medo que existe em relação ao futuro, mas, no entanto, a gratidão pelo facto de ter vivido.

Tags

Filomena Pires

De Faro e nascida no belo ano de 1992. Sou Licenciada em Ciências da Comunicação mas neste momento estou a formar-me numa especialização técnica em aplicações informáticas de gestão. Vamos lá a ver no que isto dá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: