CiênciasCiências e Tecnologia

Açúcar, doce açúcar

Não consigo viver sem açúcar. Bombons luxuriantes com um toque fresco de menta, cheesecake impregnado de creme branco, colheradas de mousse que se dissolvem no paladar, este é o meu mundo. E se me calha um daqueles dias maus, é ver-me no trabalho a perguntar se alguém trouxe miraculosamente algum chocolate que me possa dispensar um bocadinho.

Nos últimos tempos, tem-se falado muito na questão do açúcar. E num mundo em que a nutrição, a boa forma física e a mente fresca vai conquistando, felizmente, cada vez mais adeptos, não posso deixar de pensar neste meu pequeno vício.

cm_acucardoceacucar_1

Temos prazer no açúcar. O doce faz parte de hábitos culturais e seculares. Os avós compensam com bolachinhas, alimentamos os nossos filhos com cereais açucarados, para já não falarmos em nós, que nos empanturramos de manhã com o bolo de arroz a acompanhar o café quente. Tendemos a consumir muito mais açúcar diariamente do que deveríamos.

Precisamos de energia, é mais do que certo, mas esta pode ser-nos fornecida pelo pão, pelos cereais integrais, pela fruta (os chamados glícidos complexos de absorção lenta). A sacarose encontra-se em todos os alimentos processados que tão bem conhecemos, os doces, os refrigerantes, as bolachas. E para piorar todo o cenário, o açúcar é também adicionado à maior parte dos alimentos que compramos nos supermercados, para se intensificar sabores e se prolongar prazos de validade.

Resumindo, tudo o que é empacotado e processado, muitas vezes vem disfarçado com nomes pomposos nos rótulos que nem nos lembramos de ler.

O açúcar cria dependência no nosso corpo que, ao consumi-lo, provoca modificações biológicas que nos pedem cada vez mais e mais, de forma a termos uma sensação maior de saciedade e bem-estar. Viciamo-nos.cm_acucardoceacucar_2

Experimentem não consumir açúcar durante um período significativo de tempo. Digamos, um mês. Mas à séria! Para além dos bolos e bolinhos, cortem com refrigerantes, chá gelado açucarado e outras coisas embaladas que não nutrem e só nos mudam o paladar. Substituam por alimentos mais frescos e que não sejam processados. Garanto-vos que para além de perderem alguns quilos irão lembrar-se do nome daquele conhecido que encontram na rua, irão cansar-se muito menos, fígado gordo nem vê-lo (a não ser que continuem no vício do álcool, isso são outros quinhentos), estarão muito mais calmos, livres de diabetes, problemas metabólicos, com uma super saúde óssea e uma melhor pressão arterial. Ah! E já para não falar que é vê-los a correr por aí fora, porque terão muito mais energia.

Vantagens são muitas e muito mais do que aqui abordo, mas vale a pena. No equilíbrio está o ganho e ninguém vos pede que após a experiência, não comam de vez em quando o docinho tão bom da tia Elvira. Mas com muita moderação. Pela vossa saudinha!

Tags
Show More

Carla Moreira

Fiz teatro e fui jogral de poesia há algumas luas. Gosto muito de pessoas. E de vários assuntos. E de assuntos que envolvam pessoas. Sou curiosa por natureza e tenho verdadeira paixão pela palavras.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: