Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaLiteratura

A Trégua

Sexta-feira 22 de Fevereiro

Quando me reformar, creio que deixarei de escrever este diário porque então irão, sem dúvida, passar-se muito menos coisas comigo do que agora e vai revelar-se insuportável sentir-me tão vazio e deixar disso uma prova escrita.

Falávamos sobre o que faríamos se ganhássemos o Euromilhões: eu disse logo que no dia seguinte iria ao escritório soltar umas “verdades”. Trocávamos ideias depois da aula como tantas vezes fazíamos e o Javier – o meu professor de espanhol – falou-me numa cena de um filme argentino (A Trégua) em que, num escritório de contabilidade onde os empregados apostavam em sociedade, resolvem pregar uma partida a um deles anunciando que haviam ganho a lotaria: com a excitação, o homem dirige-se ao gabinete do director e, antes que os companheiros conseguissem evitar o desastre depois de perceberem o que iria acontecer, ele descarrega as frustrações acumuladas durante anos: é despedido; e é-lhe anunciado que afinal não haviam ganho nada… fora tudo uma brincadeira.

Não consigo descortinar o porquê de esta cena ter despoletado em mim a curiosidade para pesquisar o filme mas a busca convergia sempre para o livro A Trégua, do poeta uruguaio Mario Benedetti.

Comprei-o e li-o com um interesse crescente, como acontece com histórias de pessoas normais que vivem acontecimentos normais amarrados a vidas normais. Pensava eu… é na fuga à normalidade e na primorosa e sensível escrita de Benedetti que reside a força desta história.

Domingo 2 de Junho

O tempo foge. Às vezes, penso que deveria viver apressado, tirar o máximo partido destes anos que restam. Hoje em dia, qualquer pessoa me pode dizer, depois de esquadrinhar as minhas rugas: «Mas se o senhor ainda é um homem novo». Ainda. Quantos anos me restam de «aindas»? Penso nisso e fico com pressa, tenho a angustiante sensação de que a vida me está a escapar, (…)

Montevideu, 1959. Martin Santomé, quarenta e nove anos, viúvo há vinte, conta os dias para a reforma num trabalho de que não gosta num escritório de contabilidade. Desiludido, tem dificuldade em relacionar-se com os três filhos e vai compensando o que a vida deixou de lhe dar com um ou outro encontro ocasional. Quando Laura Avellaneda, vinte e quatro anos, entra para o escritório, Martin não se enamora de imediato, mas a convivência e a solidão concorrem para os aproximar. E apaixonam-se…

A partir daqui, são as preocupações de Santomé que acompanhamos (é o seu diário que lemos): a idade e a diferença de idades, o futuro da relação, a preocupação em ser deixado… de um jeito “lúcido-pessimista”, porque o seu pessimismo é muito lúcido, as suas preocupações (ainda que antecipadas) muito lógicas, as suas vidas muito diferentes.

Segunda-feira 12 de Agosto

Ontem à tarde estávamos sentados junto da mesa. Não estávamos a fazer coisa alguma, nem sequer a falar. Eu tinha a minha mão pousada sobre um cinzeiro sem cinza. Estávamos tristes: era isso que estávamos, tristes. Mas era uma tristeza doce, quase uma paz. Ela estava a olhar para mim e de repente mexeu os lábios para dizer duas palavras. Disse «Amo-te». Então apercebi-me de que era a primeira vez que mo dizia, mais ainda: que era a primeira vez que o dizia a alguém.

Triste e bonita reflexão sobre a vida, o amor, a desilusão e a possibilidade de irmos sempre a tempo de apanhar o comboio que nos conduz à maravilhosa incerteza da esperança.

Em 1995, no livro El Amor, las Mujeres y la Vida (de Benedetti), Avellaneda escreveu um poema para Santomé – Ultima Noción de Laura. A ler obrigatoriamente por quem leu A Trégua, mas obrigatoriamente depois de ler A Trégua.

Segunda-feira 3 de Fevereiro

Ela dava-me a mão e não era preciso mais nada. Bastava-me para sentir que era bem recebido. Mais do que beijá-la, mais do que deitarmo-nos juntos, mais do que qualquer outra coisa, ela dava-me a mão e isso era amor.

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: