Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Bem-EstarLifestyle

A palavra mais fácil

Pedir desculpa é um acto, na maioria das vezes, de empatia, de humildade. É preciso ser-se grande o suficiente para nos colocarmos no lugar do outro, para reconhecer os nossos erros e para, desprendidamente soltar um “peço desculpa” sincero e sentido pela aquela atitude que, reconhecemos, não ter sido a mais correcta.

Contudo, o que acontece quando, sistematicamente, a palavra desculpa surge ao longo do nosso dia?

Se o pedir desculpa é, essencialmente, o reconhecimento de um erro, ao pautarmos a nossa vida por essas palavras estamos quase a assumir que tudo aquilo que fazemos é errado e devemos pedir desculpa por isso. Quantas vezes não ouvimos um “peço desculpa, mas é a minha opinião”? Devemos pedir desculpa pela nossa opinião ser diferente da do outro? Por não concordarmos com um ponto de vista? Claro que não! A opinião de cada um nunca deve ser desculpada.

Outra coisa que frequentemente ouvimos é o “desculpa mas tenho de ser sincero/a”, dizer a verdade nunca deve ser razão para pedir desculpas. O facto de mentirmos ou omitirmos determinados factos gera sempre insegurança e instabilidade e, desculpem que vos diga, mas esses não serão os melhores alicerces de qualquer relação.

Então em que ficamos? Pedir desculpa é, por um lado, bom e faz de nós melhores pessoas por assumirmos que erramos ou, por outro lado, demonstra fraqueza e insegurança?

Devemos, sim, pedir desculpas, quando erramos, quando magoamos, quando sentimos necessidade de o fazer, contudo não devemos usar a palavra desculpa como escudo. Frequentemente o “desculpa” serve como capa e é utilizado para evitar confrontos e discussões. Quando duas pessoas discordam mas não querem declarar guerra uma à outra, haverá sempre um lado que solta um “desculpa” para apaziguar os ânimos. O outro confia que “ganhou” e aquele assume uma derrota por desistência, ainda que não a considere justa.

Analisando todas as vezes que pedimos desculpa, reparamos que, na maioria das vezes seguimos o “desculpa” com um “mas” e, normalmente, quando isso acontece, é porque nos estamos a tentar desculpar de algo para o qual não precisamos de pedir desculpa. Esta atitude é nada mais que uma afirmação de insegurança. Ao pedirmos demasiadas desculpas perdemos assertividade e ganhamos insegurança.

Desculpa é talvez a palavra mais fácil do nosso vocabulário, mas estamos a gastá-la. Pedimos desculpa por não conseguirmos fazer determinada tarefa, quando poderíamos apenas pedir ajuda, mas pedimos desculpa por simplesmente precisar de ajuda.

Pedimos desculpa por sermos contra algo ou a favor da mesma, pedimos desculpa por ser diferentes, quando é a nossa diferença que nos torna únicos. Pedimos desculpa pelas nossas opiniões.

Por isso, desculpem que vos diga, mas já chega de tantas desculpas… desculpem, é a minha opinião!

Tags

Andreia Mendes

Natural de Caldas da Rainha, 35 anos. Licenciada em Educação Social. Mulher, Mãe de dois. Com paixão pelas pessoas, pelas palavras, pelas acções, pelo teatro, pela música e claro pela escrita! Incapaz de compreender algumas injustiças por esse mundo fora, por esse tempo adentro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: