MundoPolítica

A internacionalização do indivíduo

The bigger the crowd, the more negligible the individual.

The Undiscovered Self, de Carl G. Jung

Há mais de meio século, quando o mundo se dividia em dois extremos, os prós americanos e os prós soviéticos, o psicólogo suíço, Carl G. Jung previu na obra The Undiscovered Self (1957) que o colectivismo iria conduzir à opressão do ser individual. Era o anúncio da sociedade de massas onde o individuo para fazer parte de um todo sacrifica o seu Eu para ser um Nós.

Hoje vivemos na era da internacionalização do indivíduo. Se antes a singularidade era afirmada e encorajada, agora o indivíduo faz parte de um mundo global, onde as fronteiras espaciais e temporais foram derrubadas pela tecnologia. A descoberta do Eu é substituída pela afirmação do grupo e pelo reconhecimento do indivíduo como parte integrante de uma realidade universal.

Toda a vida em sociedade está orientada para nos incutir o sentimento que fazemos parte de uma estrutura comum, veiculando a mensagem que somos cidadãos do mundo e não apenas cidadãos locais. Porém, se o apelo à unidade mostra aquilo em que somos iguais, a consciência daquilo em que somos diferentes torna-se mais evidente.

many 3d humans pull a rope to opposite directions

Ainda que o trabalho de Jung seja mais que actual na sociedade contemporânea, a exaltação do indivíduo persiste através dos grupos extremistas. Na Europa, o ressurgimento de nacionalismos, aliado ao racismo, e partidos de extrema-direita ou esquerda voltam a ganhar força não só nos parlamentos, traduzindo-se numa representatividade cada vez mais expressiva nas eleições, como junto das massas que se sentem oprimidas na “aldeia global”.

Atentados como aquele que ocorreu na Noruega são ilustrativos que esta nova realidade não agrada a todos. A “aldeia global”, anunciada por McLuhan, fez da mobilidade demográfica e cultural algo banal, mas existe uma minoria que se sente ameaçada e despojada da sua singularidade, exigindo uma mudança que dê prioridade, novamente, à identidade nacional em detrimento da internacional.

Tags
Show More

Estela Tavares

Sem dúvida, que a comunicação é uma paixão inegável e que me define como pessoa, por isso, a licenciatura em jornalismo, na Escola Superior de Comunicação Social foi um passo natural. Poder escrever sobre o mundo, que nas suas múltiplas manifestações nos fornece a matéria-prima, que nos rodeia é um privilégio.
Quanto a mim, os vícios por porta-chaves, sapatos e o Nadal (um grande tenista) são algumas das características, que segundo os meus amigos me conferem uma loucura q.b

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: