Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
EconomiaPolítica

A hiperinflação: Um demónio macroeconómico

Tal como o nome indica, uma hiperinflação constitui-se, quando a inflação atinge valores acima daqueles que podem ser considerados normais, trata-te de uma inflação fora de controlo. É, sem qualquer margem para dúvidas, um demónio macroeconómico. Encarece os produtos a um ritmo alucinante, provoca uma desvalorização acentuada da moeda, mesmo numa moeda forte, e, consequentemente, provoca recessão. Todas estas consequências tornam fácil de prever que a hiperinflação é uma das piores coisas que podem acontecer numa economia.

No clima de austeridade em que a União Europeia está mergulhada, ou, pelo menos, ainda está banhada, o risco de hiperinflação não é tão reduzido como o desejável e um dos países com mais receio disto é a Alemanha. Porquê? Porque a história já lhes deu a desagradável experiência de saber como isso é prejudicial e arrasador. Vamos recuar até 1923, o ano que marcou o fenómeno em terras germânicas. Na altura, pouco depois da Primeira Guerra Mundial, a obrigação da Alemanha de pagar indemnizações avultadas às nações vencedoras foi o principal motivo do crescimento desmedido da inflação. Aliada a essa condição, a conjuntura interna da Alemanha era caótica ao ponto de se encontrarem impossibilitados de obter – pela via fiscal – o dinheiro necessário para fazer face à despesa. Para contornar a situação (e é preciso referir que não há nenhuma forma positiva de o fazer), a República de Weimar (antecedente do regime Nazi) optou por se financiar com injecções contínuas de dinheiro, sem a contenção necessária para o equilíbrio das contas do Estado.  No mês de Dezembro de 1923, o Reichsbank já tinha emitido 496,5 quintilhões de marcos, fazendo com que cada unidade valesse um trilionésimo do que valia em ouro de 1914. A moeda alemã valia, então, pouco mais do que… nada.

Existem quatros grandes motivos para a criação e, de certa forma, para a proliferação da hiperinflação na Alemanha nos anos 20, como existem os mesmos motivos que nos podem, hoje em dia, levar a uma situação similar na Europa, se o nosso poder político não estiver informado, ou se o eleitorado não souber retirar as conclusões necessárias dos programas eleitorais que se fazem para ninguém ler.

O primeiro é a tentativa de manipular a opinião pública para a fazer acreditar que o problema não existe, de todo. Ou seja, de que não existe inflação monetária, nem de crédito. Essa manipulação ocorreu na Alemanha, quando vários economistas, com ligações ao Governo, argumentavam que o valor real de todo o dinheiro em circulação, ou seja, o valor em ouro, também de bens e serviços, era, na verdade, muito menor, quando comparado com o anterior à Primeira Guerra e abaixo dos valores praticados noutros países industriais e desenvolvidos. O Ministro das Finanças e economista, Dr. Helfferich, garantia incessantemente ao eleitorado que não havia inflação na Alemanha, uma vez que o valor total da moeda em circulação, quando mensurado em ouro, estava assegurado pelas reservas de ouro no Reichsbank. É, portanto, uma questão de discurso político. O verdadeiro cliché de que “se disseres muitas vezes uma mentira, ela torna-se verdade”. Uma triste verdade.

O segundo motivo é o investimento desmedido, mas de causa, aparentemente, nobre e exclusivamente dedicado ao bem social. Nos anos 20 alemães, ocultavam-se os riscos e os caminhos da hiperinflação com promessas de melhores condições de saúde, mais e melhor educação, bem-estar e, claro, emprego. Os objectivos parecem-vos familiares? Pois, são semelhantes aos actuais. Na Grécia, na Irlanda, por cá… Mas calma, não são situações comparáveis em muitos e dissemelhantes sentidos. Apenas é preciso frisar que o risco não desapareceu, nunca desaparece, a responsabilidade deve ser a melhor qualidade dos nossos líderes nacionais e europeus.

O terceiro foi, em grande parte, o famoso Tratado de Versalhes. Durante o período da inflação, a explicação/retórica mais popular para a depressão monetária era aquela que colocava a responsabilidade do defeituoso balanço de pagamentos nas reparações e outras obrigações impostas pelo Tratado. A culpa não morre solteira, mas seria exclusivamente uma culpa externa. Para a maioria dos políticos alemães, os défices do governo e a inflação da moeda não eram as causas, mas, sim, as consequências da depreciação externa do marco. A popularidade dessa explicação/retórica/mentira, que responsabilizava os vencedores da Primeira Guerra pelo desastre alemão, trouxe implicações desastrosas para o futuro, tal como a história registou, como é o caso da implementação do regime Nazi.

O quarto e último motivo é entregar a culpa aos especuladores. O que as bruxas eram na época medieval, o que o capitalista é para o comunista, o especulador é para a maioria dos políticos, pelo menos para os que têm como principal objectivo a manipulação para conseguir levar as suas ideias em frente, em vez de discutir as ideias que têm, para as validarem e analisarem sem interesses singulares, ou de beneficio individual.

Existiram, provavelmente, outros motivos para a hiperinflação alemã dos anos 20, porém, estes quatro são os que mais facilmente se podem moldar ao mundo Ocidental, tal como o conhecemos hoje. A economia “unificada” da União Europeia não pode, hoje, passar por uma situação semelhante sem a existência de estragos profundos, que podem levar à destituição europeia. Esse facto, conjuntamente com a má experiência do passado, faz tremer a Alemanha. No entanto, mais do que o medo, deve haver consciência e, essa, não só alemã, mas de todos nós, sociedade informada e com um nível de instrução que supera qualquer registo histórico. Quando há informação não há manipulação e, muito menos, riscos de nos tornarmos meros peões em jogos de poder.

Tags
Show More

Filipe Pardal

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. É assim que o meu currículo académico se define. Quanto às origens: 90% alentejano e 10% algarvio, ambas com um orgulho desmedido ainda que por motivos diferentes. As minhas temáticas preferidas vão desde a política ao desporto, com passagem pela música e literatura. A mistura parece abrangente mas a paixão é bem concreta: escrever e investigar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: