Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ArtesCulturaPolíticaPortugal

A Causa Comum

A propósito de uma reflexão acerca das manifestações em França e na Bélgica dos “coletes amarelos” (gilets jaunes), despoletadas por uma crítica massiva ao aumento dos preços dos combustíveis e que fizeram o governo francês recuar na medida que havia proposto, poderia falar do poder da união e da mobilização, um dos temas que na vida particular trago sempre próximos e a postos para desembainhar. Poderia ainda apontar o dedo, em termos demasiado latos, vagos e generalistas, ao analfabetismo político que reina, elege e glorifica líderes, ao mesmo tempo que vai dando continuidade ao descalabro ambiental e social do planeta. Mas mais profundo e gravoso do que o desconhecimento histórico (que é um privilégio mais do que uma obrigação), ou que um pequeno ou nulo repertório de literatura política é o estado generalizado de acrisia, da ausência de pensamento crítico sobre o mundo que nos rodeia e que integramos. Portanto, em vez de optar pelo discurso fácil e permeável a demagogias, prefiro fazer o papel de advogada do Diabo e falar do lado obscuro da coesão consensual em torno de uma causa comum, com dois exemplos muito concretos e próximos da actualidade portuguesa e causas que me são particularmente caras.

A mobilização das massas faz-se facilmente com fórmulas populistas, pouco rebuscadas, de consumo rápido e sem exigências de palatos refinados ou técnicas de mastigação dos factos. Além das já célebres ‘fake news‘ em que meio mundo embarca sem questionar fontes ou validar a veracidade das informações, a outra receita simples e de resultados quase infalíveis é a angariação de apoios em torno de uma causa comum, exacerbada e embandeirada na linha da frente de movimentos políticos, sejam partidarizados ou inorgânicos. Em qualquer dos casos, os aparentes “consensos inquestionáveis” podem ter agendas escondidas à partida, ou podem ser cooptados por grupos com intenções questionáveis.

Vejamos o exemplo das touradas. Recentemente, pouco antes da votação do Orçamento de Estado para 2019, vimos o tema da redução da taxa de IVA para espectáculos culturais (o que inclui espetáculos de canto, dança, música, teatro, cinema, circo e também “espectáculos tauromáquicos”) ser deturpado e reduzido a uma bifurcação simplista (a tal “tinderização”) entre ser-se contra ou a favor das touradas. A ministra da cultura afirmou, e bem, que a questão das touradas é uma questão civilizacional. Daqui gerou-se uma onda de “apoio à ministra da cultura” nas redes sociais. Atentemos: não se tratou de uma onda de apoio à manutenção do valor máximo do IVA para “espectáculos tauromáquicos”, não se tratou de uma exigência generalizada da diminuição da taxa de IVA para todos os espectáculos e bens de índole cultural, nem tão pouco se ousou exigir a abolição da tauromaquia; o movimento gerado foi de “apoio à ministra” do Partido Socialista. A mesma ministra que defende um orçamento paupérrimo (inferior a 1%) para a cultura. Este apoio é, no mínimo, estranho, porque a cultura é também, incontestavelmente, uma questão civilizacional.

Um povo inculto, árido de lazer e de conhecimento, é um povo embrutecido, mera engrenagem das máquinas de produção de riqueza para outrem. A cultura deve sim, ser acessível a todos, estimulada, disseminada e exultada! O problema das touradas não é a taxa de IVA que se aplica na venda de bilhetes para esse “espectáculo” bárbaro e asqueroso; o problema das touradas é existirem e serem consideradas espectáculo ou património cultural. O problema imediato e flagrante é, de facto, uma questão civilizacional e ética. O problema secundário das touradas é serem parcialmente subsidiadas pelo Estado, serem divulgadas em canais públicos de televisão, ou serem um sumidouro de fundos dos orçamentos do poder local. O sofrimento de animais numa arena para gáudio e diversão de mentes rudimentares e violentas é perfeitamente alheio à taxa de IVA que lhes é cobrada, até porque é uma classe economicamente privilegiada a que se predispõe a assistir a esses eventos de sangue e uma espécie de supremacia de fulanos de collants em cores berrantes e casacos de brilhantes sobre animais torturados. Nada menos do que a abolição de todos os eventos tauromáquicos é aceitável sob o ponto de vista civilizacional. E quem olha para este aspecto só poderia congratular os votos dos deputados que viabilizaram a redução do IVA nos espectáculos culturais, não estivesse distraído e esquecido de pensar um pouco antes de embarcar na capitalização governamental do seu oposto.

A “causa animal” é um filão excepcional para manipular as opiniões das massas e colher o seu apoio (moral e material). Neoliberais, sociais democratas, comunistas e apolíticos conseguem facilmente entrar em acordo na causa comum da defesa do bem-estar animal, contra os maus-tratos e o abandono de animais de estimação. Ainda bem que assim é, de facto, pois só criaturas desprovidas de empatia e humanidade podem conseguir direccionar a sua maldade para quem não se pode defender, sejam humanos ou outros animais.

O potencial mobilizador da causa é de tal ordem que o PAN, um pequeno partido político, relativamente recente, conseguiu ser catapultado para a representação parlamentar, feito que outros partidos mais antigos e com uma base eleitoral bastante sólida parecem longe de alcançar, como o PCTP-MRPP, o MPT, o PPM, etc. O partido de André Silva conseguiu eleger o próprio enquanto deputado precisamente embandeirando a “causa animal” como prioritária, esquivando-se a uma definição política mais concreta em relação às tradicionais questões fracturantes entre quadrantes políticos. O PAN define-se como “nem de esquerda nem de direita”, o que toda a gente com dois dedos de testa sabe significar uma posição à direita (se dúvidas houvesse, bastaria observar o sentido de voto de orçamentos e propostas de lei várias). Mas nem é isso que coloco em causa. O que me cumpre dizer e alertar é que qualquer suposta ‘neutralidade’ deve ser sempre questionada. Os eleitores do PAN são pessoas de esquerda, de direita ou apolíticos, cansados do sistema e da desgovernação do centrão, ou são habituais abstencionistas que (pensam que) fogem da política, e que gostam de animais. Ali encontraram a identificação com algo em que acreditam e isso bastou-lhes para associarem o partido à diferença por que anseiam e para lhes conquistar a confiança, apesar da própria noção de neutralidade política ser absurda.

Quem também já percebeu há muito o potencial do cavalo de Troia da defesa dos animais (em particular, os domésticos) parecem ter sido grupos com ligações conhecidas a membros de grupos nacionalistas e neo-nazis. A mera suspeita destas ligações perigosas torna evidente até que ponto os defensores das causas estão dispostos a fechar os olhos a comportamentos duvidosos e incoerências como hipotéticas utilizações indevidas de fundos doados, por exemplo. Estes apoiantes acérrimos, quase fanáticos militantes (alguns não se inibem de fazer ameaças explícitas à integridade física de pessoas que apresentam indícios suspeitos ou opiniões que lhes são contrárias), podem efectivamente estar a defender grupos fascistas, nacionalistas, racistas e xenófobos. Mas isso não significa necessariamente que sejam fascistas, nacionalistas, racistas e xenófobos. São só uma massa popular que se deixa manusear e empodera os alegados benfeitores dos animais, ainda que isso possa implicar apoiar o populismo ou o fascismo.

A luta pela defesa e pelos direitos dos animais é muitíssimo válida e meritória, mas não nos podemos deixar iludir pela nobreza da causa quando esta é usada para escamotear agendas políticas potencialmente perigosas. Não pode valer tudo para fortalecer um único propósito. Não basta a bandeira da causa comum para justificar tudo o resto. O argumento do desinteresse pela actividade política não isenta o cariz político das acções individuais e colectivas. Um voto é um acto político, um donativo a uma associação é também um acto político, os apoios materiais e morais a algumas organizações e não a outras são acções políticas. E sim, a tomada de posições políticas requer análise crítica ou carrega consigo uma irresponsabilidade com consequências potencialmente devastadoras.

Encontrada que seja uma causa comum que sirva de mote, de preferência com forte carga emocional, de forma a possibilitar uma mobilização acrítica, capaz de reunir simpatia e apoios concretos, com poder de gerar choque mediático, basta agitar as massas com alguns slogans e aguardar para capitalizar este poder. Na eleição de Trump, o mote foi o nacionalismo concentrado na imigração e a construção de um muro na fronteira dos EUA com o México. A eleição vincadamente anti-petista de Bolsonaro fundamentou-se no ataque à corrupção (com um empurrãozinho de vitimização pessoal para justificar a absurda ausência de debate). E o mundo vai mudando, vai cedendo, vai-se tornando mais violento, inseguro e injusto.

Assim se faz política no século XXI. A informação é uma arma e está ao nosso alcance fazer uso dela. Que tal começar hoje?

Tags

Andreia

Anticapitalista. Ecossocialista. Feminista. Opinativa. Palavrosa. Blogger desde 2005 em https://ventania.blogs.sapo.pt/.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: