Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaMúsica

A calma e o caos de um “Zé Ninguém”

Depois dos singles Hold back the River” e “Let it Go”, que rapidamente inundaram a rádio, já podemos ouvir o álbum que vai servir de catapulta ao artista britânico James Bay. Há uma força que nos morde, quando ouvimos a voz do “Zé Ninguém” que invadiu os tops pelo mundo fora. É impossível ficar indiferente à sua aptidão vocal e não lhe reconhecer talento. Porém, aquilo que nos perguntamos, quando ouvimos o seu primeiro single, não é “quem é este gajo?”. É antes: como é que só ouvimos uma voz destas agora?

A verdade é que o álbum de estreia, Chaos and the Calm, não será, certamente, o melhor trabalho de James Bay. Não é um álbum fenomenal. Não é, sequer, um álbum revelador, porque aquilo que recebemos dos singles é o que se repete nas restantes faixas. Porém e convém não esquecer, é um álbum de um artista que está associado a um fenómeno muito particular e que nos relembra a todos e a todas aquilo que é ver surgir um novo nome cheio de potencial.

O nome deste LP acertou em cheio naquilo que é a minha perspetiva sobre as capacidades, acima de tudo vocais, de James Bay. Para além do próprio álbum ser calmo e caótico, o título apresenta-nos o artista. E, num álbum de estreia, não poderíamos exigir mais. Ele é, precisamente, calmo e caótico. Escreve sobre temas usuais – o amor, as desilusões, o passado, a incerteza -, mas com nuances rítmicas e vocais fora do comum. E o caótico de Bay não é a chama blues rock que encontramos em “Best Fake Smile”, ou em “Collide”. O sentido do caos não é dado, necessariamente, porque as músicas são mais mexidas e ritmadas.

A calma e o caos são a identidade do músico inglês e ganham significado, quando estão presentes na mesma faixa. “Craving”, “Hold back the River”, “Let it Go”, “Scars” e “Move Together” são, entre outras, prova dessa tal dualidade. Isso não significa que estas sejam particularmente calmas e que, depois, num qualquer momento, surjam caóticas, ou vice-versa. Significa que – e acredito ser esta a faceta que melhor descreve a música de Bay – há um misto de ambas as envolvências, a calma e a caótica, que resultam em melodias invulgarmente bem conseguidas e em registos vocais especialmente interessantes, dinâmicos e comoventes.

Chaos and the Calm é, acima de tudo, um álbum coeso – quase redundante – que nos dá a conhecer o potencial de James Bay. A sua mestria na guitarra, que vem, provavelmente, do facto de ter frequentado a Brighton Institute of Modern Music, juntamente com a sua voz potente e emocional, são prova de que o britânico veio para ficar. Se há arestas a limar? Claro que sim. A composição tem tudo para crescer e há algo de demasiado igual nas suas músicas. Contudo, este “Zé Ninguém”, que é agora o artista famoso que venceu o Critics’ Choice Award de 2015, renova a certeza de que o amor pela música, aliado ao talento, vale mais do que uma cara bonita de chapéu. Até porque e indo ao encontro do que escrevi no início, depois de ouvir a sua voz, são mais os que procuram ouvir outras canções dele do que aqueles que procuram ver um rosto para alimentar fantasias.

Tags
Show More

Liana Rego

Licenciada em Jornalismo. Estudante de Mestrado na Universidade do Porto. Feminista convicta. Vegana. Apaixonada: por música, por cinema, pela Arte de revolucionar.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: