Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CinemaCultura

A Caça

Por mais que tentasse encontrar uma forma de escapar àquele inferno, havia sempre um impedimento que me frustrava os planos. À medida que o tempo passava, a irritação foi crescendo com a sensação de impotência: ter experimentado sentimentos tão vivos não está ao alcance de muitos filmes.

Quando vi pela primeira vez A Caça (Jagten, 2012) fiquei angustiado. A revolta deixou-me com uma sensação de mal-estar quase física que ampliou a minha incapacidade (crónica) de carimbar uma opinião acerca de um filme imediatamente após a sua visualização. Raras são as vezes em que o que penso naqueles instantes em que as ideias que vagueiam como poeira em suspensão pelo meu cérebro correspondem à impressão que mais tarde formarei (e mesmo esta, nunca está fechada).

Paradoxalmente, não fiquei com dúvidas de que havia assistido a um grande filme e, sobretudo, a uma grande história. Thomas Vinterberg constrói uma obra provocadora numa altura em que a pedofilia estava na ordem do dia. O tema alimentava o espaço mediático e o filme nadou contra a corrente da indignada justiça colectiva que tão depressa alastrou através dos media e das redes sociais.

Lucas é um educador de infância numa pequena comunidade dinamarquesa onde todos se conhecem. Um dia, Klara, uma das meninas de quem toma conta, filha de um grande amigo seu, dá-lhe um beijo levando-o a explicar-lhe, firme mas carinhosamente, a inadequação de determinados comportamentos. Conduzida por um sentimento algures entre a frustração e o ciúme, a menina insinua perante os pais que Lucas foi “mais longe” com ela do que o beijo que a própria lhe havia dado. A denúncia é montada com uma sensibilidade que nada deixa ao acaso pois uma criança daquela idade mal consegue concretizar a profundidade da acusação. A partir deste momento começa o filme!

A luta de um homem contra a revolta popular atinge proporções (in)imagináveis e Mads Mikkelsen é brilhante na composição de alguém que, independentemente da surpresa, irritação, tristeza ou revolta que mostra, percebe que nenhuma reacção é capaz de aplacar a ira colectiva. Vítima do julgamento popular, Lucas tem que lutar não só pela sua dignidade mas pela própria vida obrigando-me, enquanto espectador, a pensar como é que me safaria se me visse nesta situação? Não encontrei resposta…

A inocência de Lucas e a mentira de Klara são pressupostos de partida numa história sobre a injustiça e o comportamento em massa (por isso este texto não constitui um spoiler). Nos temas respeitantes à sexualidade (pedofilia, assédio, abuso…) nem tudo é o que parece e no filme, estão próximos da perfeição a história, o enquadramento, o suspense, o crescendo, a revolta e o desenlace.

Sem minimizar os efeitos devastadores que um abuso sexual tem numa criança, nestes casos de maldade em que todos estamos de acordo, esquecemo-nos dos outros, dos que ficam do lado contrário, e esse é o grande mérito desta obra, lembrar as excepções que são tomadas pela regra quando julgadas por uma sociedade que abdica de usar a inteligência e o bom senso para tudo aceitar acriticamente.

Afinal, uma criança, sobretudo se for bonita e vier de uma família estruturada, nunca mente.

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: